Veja como funciona o Isofix que já é item obrigatório nos veículos novos produzidos no Brasil

Desde janeiro de 2018, todos os novos projetos de automóveis, caminhonetes e utilitários, produzidos no Brasil ou importados devem possuir os sistemas de fixação Isofix. Essa é uma determinação daResolução 518 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Ainda de acordo com a norma, em 2020 a medida valerá para todos os veículos em produção no país.

Para quem não conhece o sistema, o Isofix é considerado mais seguro que o uso do cinto de três pontos na fixação dos assentos, por ser menos suscetível a erros de instalação e não permitir folgas.

Segundo o NHTSA (Administração Nacional de Segurança Rodoviária dos EUA), o uso do dispositivo reduz em até 40% o risco de lesão grave em crianças,em caso de acidente.

De acordo com o Observatório Nacional de Segurança Viária, a palavra ISOFIX pode ser traduzida como Padronização Internacional de Organização de Fixação, cujo objetivo é padronizar e simplificar o encaixe dos dispositivos de retenção (bebê conforto, cadeirinha de criança e booster), garantindo a eficiência do produto. Ele exige pontos de ancoragem específicos, tanto no veículo quanto na cadeirinha.

O Inmetro certificou as cadeiras Isofix em 2014, mesmo assim, a tarefa de encontrá-las ainda não é fácil, e os preços são mais altos que as que não são adaptadas ao sistema.

De acordo com estudo do Inmetro, o Isofix prende melhor a cadeirinha no carro e, com isso, aumenta a segurança das crianças. O sistema é composto por dois pontos de fixação na base (bebê conforto, cadeirinha e assento de elevação) que se encaixam a dois pontos no veículo, localizados no vão entre o assento e o encosto do banco traseiro. Um terceiro ponto no carro se liga a uma espécie de gancho da cadeirinha, evitando que o dispositivo se movimente. Esse ponto pode estar no assoalho, na parte de trás do encosto ou na lateral do carro (na mesma área de onde saem os cintos de segurança).

Testes realizados na Europa demonstram que os dispositivos fixados com ISOFIX reduzem o deslocamento dos dispositivos para transporte de crianças. Há um menor deslocamento do pescoço, ombros e coluna cervical, reduzindo as lesões nas crianças transportadas dessa forma.

Em seu site, a ONG Criança Segura diz que o Isofix já foi adotado por alguns fabricantes de veículos em diversos países. Ele facilita a instalação das cadeirinhas e garante muita segurança para as crianças. “Infelizmente, ele ainda é pouco usado no Brasil”, finaliza a ONG.

De acordo com os testes, os dispositivos fixados com ISOFIX tiveram eficácia de 96% de encaixe correto, contra 30% dos dispositivos fixados com cinto de segurança.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/veja-como-funciona-o-isofix-que-ja-e-item-obrigatorio-nos-veiculos-novos-produzidos-no-brasil/

Placa Mercosul: emplacamento segue após liminar de suspensão

 

A Placa Mercosul começou a ser implantada no Brasil através do Rio de Janeiro. Porém, o serviço de emplacamento no estado foi interrompido por uma liminar expedida em nome da Aplasc (Associação das Empresas Fabricantes e Lacradoras de Placas Automotivas do Estado de Santa Catarina).

A liminar – mesmo de caráter provisório – foi atendida prontamente pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (Brasília/DF), através da desembargadora federal Daniele Maranhão Costa. Assim, o serviço de emplacamento foi suspenso no país inteiro no último dia 11. Porém, o Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) se pronunciou sobre a decisão no mesmo dia.

O departamento nacional disse que só iria se posicionar sobre o caso após receber a notificação judicial e assim tomar as medidas necessárias para manter o serviço. Entretanto, tal notificação não chegou ao órgão em Brasília e assim o serviço continuou normal no sábado (13), apenas no estado do Rio de Janeiro, que é o único que está implantando a placa no momento.

No Detran-RJ, já foram emplacados 112 mil carros novos com a identificação padronizada do Mercosul e o serviço segue sem interrupção, sendo que os demais estados terão de adotar a padronagem atualizada em suas placas locais até 1 de dezembro desse ano. Mas, além disso, tem mais…

VEJA TAMBÉM:

Placa Mercosul: emplacamento segue após liminar de suspensão

Segundo reportagem do site UOL, fontes ligadas ao Denatran acusam a Aplasc de não ser uma entidade idônea, pois responde na justiça “a 23 processos criminais por fabricação de placas frias no Estado de Santa Catarina”. A associação catarinense rebate a acusação dizendo que o “padrão Mercosul oculta tentativa de criar um monopólio da fabricação de placas no país”.

Para a desembargadora federal Daniele Maranhão Costa, dois motivos foram essenciais para acatar a decisão da liminar: A primeira é que a responsabilidade de escolha das empresas que fabricarão as placas é do Detran estadual e não do Denatran. Segundo, com a ausência de um sistema de dados vinculados aos estados, não se pode produzir prejuízo com a implantação do novo sistema.

A escolha das empresas de fabricação de placas se deve ao fato de reduzir a possibilidade de fraudes e clonagens, assim como o monopólio atual. Já em relação ao prejuízo, segundo a reportagem, os donos de carros com a nova placa não estão conseguindo acessar estacionamentos automáticos e não estão sendo multados por agentes de trânsito, pois não há um sistema de dados integrado ainda em operação.

Ou seja, é mais ou menos como rodar com um carro brasileiro nos países vizinhos, onde não há um banco de dados para registrar a presença de carros vindos do Brasil. Segundo fontes do Denatran, o Siniav – que é um sistema nacional de identificação veicular, estaria sendo implantado nos estados em seu devido cronograma.

Também, todos os órgãos federais envolvidos com a fiscalização tributária e viária envolvendo os veículos teriam entrado em contato com a Denatran sobre como proceder com as novas placas. Em casos particulares, envolvendo empresas como estacionamentos, sistemas de cobrança automática, entre outros, estas terão de atualizar seus sistemas de dados para adotar o novo padrão por conta própria.

Fonte: https://www.noticiasautomotivas.com.br/placa-mercosul-emplacamento-segue-apos-liminar-de-suspensao/

Com o decorrer do tempo e em função do uso, a numeração do chassi, pode ser danificada em função da ferrugem ou alguma avaria que inutilize a numeração, caso ocorro se faz necessária a autorização do Detran, para que seja providenciada a remarcação.

Faça já seu orçamento conosco!

A imagem pode conter: texto

 

Restrição de veículos em rodovias estaduais começa sexta-feira (12) confira onde.

A exceção é para veículos de cargas perecíveis, transporte de leite e seus derivados, de frutas e verduras e cargas frigoríficas

 

A Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop) informou que restrição de veículos em rodovias estaduais durante o feriado começa nesta sexta-feira (12). A data é considerada feriado em todo o território nacional em comemoração ao Dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil.

O objetivo é garantir segurança e conforto aos usuários das rodovias estaduais neste período, quando aumenta o fluxo de veículos de passeios e ônibus. Durante o período de 7 horas às 20 horas dessa sexta-feira (12) e de 7 horas às 20 horas de domingo (14), dias de saída e retorno de viagens, não será permitido o tráfego de veículos de cargas em rodovias de acesso a ponto turísticos.

Segundo a Agetop, a exceção é para veículos de cargas perecíveis, transporte de leite e seus derivados, de frutas e verduras e cargas frigoríficas. Rodovias que levam a pontos turísticos como a Região das Águas Quentes, ao Lago de Três Ranchos e de cidades históricas como a região de Pirenópolis, Corumbá de Goiás e cidade de Goiás.

Estão incluídos nas restrições veículos tipo Bitrem 7 eixos, Romeu e Julieta, Rodo-Trem, Tri-Trem, Treminhão, Bi-trem 9 eixos, Cegonheira, Linha de Eixos ou qualquer combinação de veículos de transportes de cargas superior a três eixos e veículos que exigem escolta.

O descumprimento da restrição gera multa e cinco pontos na carteira do motorista, penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro.

 

Confira os trechos com restrição:

GO-020Entroncamento GO-147 (trevo para Piracanjuba)/Entroncamento GO-139 (Cristianópolis)GO-217Entroncamento BR-153/Piracanjuba/Entroncamento GO-139GO-139Entroncamento GO-020 (Cristianópolis)/Entroncamento GO-217/Caldas Novas/Corumbaíba/Divisa GO-MGGO-213Ipameri/Caldas NovasGO-330Vianópolis/Pires do Rio/Catalão/Três RanchosGO-431BR-153/PirenópolisGO-338Entroncamento BR-060 (Abadiânia)/Planalmira/PirenópolisGO-225Entroncamento BR-414 (Corumbá)/PirenópolisGO-070Itauçu/Cidade de GoiásGO-010  GO-139Luziânia/Vianópolis/Cristianópolis/Entroncamento GO-217 (Piracanjuba).

Fonte: https://www.emaisgoias.com.br/restricao-de-veiculos-em-rodovias-estaduais-comeca-sexta-feira-12/

 

 

Mais um dia de projetos na escola Happy School! Projeto Futuros condutores, levando o respeito no trânsito para nossas Crianças!

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área interna

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área interna

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área interna

 

O veículo que passou pelo processo de customização recebe o CSV (Certificado de Segurança Veicular).
Além disso, as mudanças realizadas devem aparecer no CRV (Certificado de Registro de Veículo) e no CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo).
O documento do carro precisa estar atualizado com essas informações caso você seja abordado por um agente de trânsito.
Alteração de característica, é com o Despachante sudoeste! Faça seu orçamento conosco! 
Fonte: https://doutormultas.com.br/rodas-esportivas-veiculos-lei/

A imagem pode conter: carro, texto e atividades ao ar livre

 

Denatran muda regra e novas placas padrão Mercosul virão sem chip

Veículos estão sendo emplacados com um código bidimensional, chamado de QR Code, no lugar do chip

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) revogou nesta segunda-feira 24 a exigibilidade da instalação de chips nas novas placas de identificação de veículos com padrão do Mercosul, informou o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Desde o dia 11 de setembro, o Estado do Rio de Janeiro iniciou a instalação das novas placas, mas sem o chip. Com a modificação da resolução, evita-se uma violação por parte do órgão estadual.

Padrão europeu

A nova placa terá quatro letras e três números, que poderão estar embaralhados, como ocorre na Europa. Hoje, o modelo adotado no Brasil é o de três letras e quatro números.

O fundo também será diferente: em vez de cinza, para veículos particulares, as novas placas, terão a cor de fundo branca, com variações nas letras e números. Outra novidade é que o modelo prevê a colocação do nome do país, que, no caso do Brasil, estará na parte superior. O nome da cidade e do estado estarão na lateral direita, ao lado dos brasões. O tamanho, de acordo com o Denatran, não mudou. As placas terão 40 centímetros de comprimento e 13 centímetros de largura.

O Denatran informou ainda que no modelo haverá marcas-d´água com o nome do país e do Mercosul — estarão grafadas na diagonal ao longo das placas. No Brasil, haverá também uma tira holográfica do lado esquerdo e um código bidimensional, que conterá a identificação do fabricante, a data de fabricação e o número serial da placa.

“Não deve haver aumento nos custos relativos do emplacamento. Não haverá preços fixos e o mercado será regulado pela livre concorrência. No Estado do Rio de Janeiro, por exemplo, a nova placa terá o mesmo preço da placa antiga”, informou em comunicado o Denatran. No estado, o dono de carro zero-quilômetro paga 219,35 reais pelo emplacamento.

A estimativa do Denatran é que a medida atinja uma frota de 110 milhões de veículos nos quatro países. Além disso, deve facilitar a circulação e a segurança viária, assim como assegurar a existência de um banco de dados conjunto.

Fonte: https://veja.abril.com.br/economia/denatran-muda-regra-e-novas-placas-padrao-mercosul-virao-sem-chip/

 

Mais um dia do "Projeto Futuros Condutores", levando conscientização do respeito no trânsito. hoje no colégio Visão. Agradecemos a todos os envolvidos!

A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sentadas

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sentadas e área interna

A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sentadas e área interna

A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas e área interna

 

Os motoristas que perderam o Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo ou o mesmo sofreu dano, rasura, preenchimento incorreto ou indevido, extravio, roubo ou furto do documento original, é preciso fazer, o quanto antes, o pedido de segunda via. Este é mais um dos serviços que o Despachante Sudoeste, fazemos com toda a comodidade para você!

Nenhum texto alternativo automático disponível.

 

PL permite que expedição de CNH, registro e licenciamento de veículos sejam delegados a terceiros

A Câmara dos Deputados analisa proposta que permite aos órgãos ou entidades executivos de trânsito dos estados e do Distrito Federal subdelegar para pessoa física de natureza pública ou privada as atividades relativas à permissão para dirigir, à carteira nacional de habilitação e aos certificados de registro de veículos e de licenciamento anual.

A medida consta no Projeto de Lei 9821/18, apresentado pelo deputado Ronaldo Benedet (MDB-SC), que altera o Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97). Conforme o texto, a pessoa física deverá estar devidamente credenciada na forma da legislação e normatização de cada unidade federativa.

“A realização de parcerias com a iniciativa privada se mostra uma reconhecida alternativa para a expansão e melhoria da qualidade dos serviços públicos”, justifica o deputado.

Situação atual

Segundo Benedet, em alguns estados, como Santa Catarina e Bahia, os órgãos de trânsito estaduais valem-se de préstimos de terceiros, por meio de credenciamentos de despachantes documentalistas de trânsito, especialmente para a impressão dos documentos de registro e entrega aos usuários.

“Isso tem se mostrado notoriamente benéfico aos usuários, por permitir a criação de uma ampla rede geográfica à disposição do cidadão usuário dos serviços, sem sobrecarregar os orçamentos públicos”, disse. “Entretanto, a falta de previsão legal expressa de subdelegação tem gerado insegurança quanto à sua continuidade”, completou.

Pelo texto, competirá aos órgãos ou entidades executivos de trânsito dos estados e do Distrito Federal, no âmbito de sua circunscrição, criar e manter atualizado cadastro de despachantes documentalistas que atuem na área de trânsito, devidamente credenciados.

Tramitação

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

As informações são da Agência Câmara

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/projeto-permite-que-expedicao-de-cnh-registro-e-licenciamento-de-veiculos-sejam-delegados-terceiros/

 

 

O Primeiro Emplacamento é o registro do veículo 0 km no DETRAN, para a emissão do Certificado de Registro de Veículo (CRV) "Propriedade" e Licenciamento (CRLV) "porte obrigatório" é necessário para transitar com o veículo pelas ruas totalmente dentro da legalidade.

Faça já seu orçamento conosco!

A imagem pode conter: carro e texto

É preciso saber que o acessório, por lei, deve ter para-choque traseiro; protetores das rodas traseiras; lanternas de posição traseiras de cor vermelha; freios de estacionamento e de serviço com comandos independentes, para veículos com capacidade superior a 750 kg e produzidos a partir de 1997; lanternas de freio de cor vermelha; iluminação da placa traseira; lanternas indicadoras de direção traseiras (cor âmbar ou vermelha); pneus que ofereçam condições mínimas de segurança, e lanternas delimitadoras e lanternas laterais, quando suas dimensões assim o exigirem.

Além disso, os reboques devem ser registrados e licenciados no Departamento de Trânsito (Detran). Com isso, eles possuirão não apenas placa, mas também documento. E, apesar de não ser necessário pagar IPVA e seguro obrigatório DPVAT, o licenciamento tem de ser quitado todo ano. Para deixar a documentação em dia, e evitar dor de cabeça, conte conosco para um serviço com agilidade!

(64) 3531-9037 / 9 92793168
atendimento1@despachantesudoeste.com.br

(64) 3431-8997 / 9 92793465
atendimento2@despachantesudoeste.com.br

Avenida Afonso Pena, 1045 - Centro

Fonte: https://garagem360.com.br/conheca-as-regras-para-o-uso-de-…/

A imagem pode conter: atividades ao ar livre

Pesquisa comprova: o uso do celular ao volante já é a terceira causa de mortes no trânsito brasileiro

 

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) revelou que o uso de celular na direção já é a terceira maior causa de mortes de trânsito no Brasil. Essa combinação só perde em números de fatalidades para o excesso de velocidade e a embriaguez ao volante.

Dados divulgados durante a Semana Nacional de Trânsito mostram que mesmo sabendo do perigo, muitos condutores não deixam de utilizar o celular ao dirigir. Segundo o Registro Nacional de Infrações de Trânsito (Renainf), mantido pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), apenas nos primeiros sete meses deste ano, o número de multas aplicadas a quem usa o celular enquanto dirige já é 33% maior do que em todo o ano passado. De janeiro a julho, segundo o órgão, esse tipo de infração resultou na aplicação de 759,7 mil multas em todo o país.

Ao longo de 2017, as multas impostas pelo uso de celular ao volante somaram um total de 571,6 mil.

A capacidade intelectual do ser humano atualmente está classificada em oito inteligências: a da comunicação, a do raciocínio lógico, a da noção de espaço, a da coordenação motora, a do autoconhecimento e compreensão, a de se relacionar, a de se situar no meio ambiente e a da distinção e interpretação de sons. Para cada tarefa que realizamos utilizamos várias dessas inteligências. A habilidade de dirigir ou pilotar exige do motorista a utilização de todas as oito. “Não são só os olhos que são desviados do trânsito, o pensamento, o foco, a atenção e a concentração são desviadas junto, quando o condutor responde uma mensagem, navega na internet, faz ou recebe uma ligação”, explica Celso Alves Mariano, especialista e diretor do Portal do Trânsito.

No estudo realizado pela Abramet, com estudantes de direção em um simulador de autoescolas, constatou-se que os motoristas levam, em média, de 8 e 9 segundos para atender a uma chamada telefônica. Caso o motorista esteja dirigindo a uma velocidade de 80 km/h, o tempo é o suficiente para percorrer duas quadras desatento.  Já para responder uma mensagem de texto, o tempo é bem maior, a associação calcula que o motorista leve de 20 a 23 segundos. Caso esteja a uma velocidade de 60 km/h, esse é o tempo necessário para percorrer quatro quadras com a atenção dividida entre o tráfego e o celular.

Para Mariano, dirigir nessa situação é assumir todos os riscos pelo uso do celular ao volante.

“Embora reconheçam os perigos, todos se acham capazes de usar telefones e smartphones sem comprometer a segurança. Trânsito é compartilhamento, por excelência. E todos, percebemos muito pouco os riscos deste complexo ambiente. Confiamos que temos a capacidade suficiente e vamos fazendo… até que aconteça um grande susto ou um acidente. Daí a ficha cai. Tarde demais para evitar a desgraça. Em tempo, talvez, para uma mudança de comportamento. Mas não dá para ficarmos esperando até que todos tenham uma experiência contundente que os torne mais responsáveis no trânsito”, explica.

Infração de trânsito

O Código de Trânsito Brasileiro prevê dois tipos de autuações relacionadas ao uso do aparelho. Falar ao celular enquanto dirige é infração média, punida com multa de R$ 130,16 e acréscimo de quatro pontos na habilitação. Já conduzir com apenas uma das mãos por segurar ou manusear o celular é uma infração gravíssima, com multa de R$ 293,47 e acréscimo de sete pontos no prontuário do motorista.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/pesquisa-comprova-o-uso-do-celular-ao-volante-ja-e-terceira-causa-de-mortes-no-transito-brasileiro/

 

QUAIS SÃO OS 5 CARROS MAIS BARATOS DO BRASIL

Para você não levar sustos: listamos as principais características (e gastos) dos carros mais baratos do mercado brasileiro

Se você faz questão de ter um carro zero quilômetro na garagem e não quer gastar muito com a compra, essa lista é para você. Separamos os 5 carros mais baratos do mercado e as suas principais características, como motorização, seguro, consumo, porta-malas e mais.

1) Chery QQ Smile R$ 28.740

 

O carro mais barato do Brasil é o Chery QQ na versão Smile. Só há uma opção de motorização: um 1.0 três cilindros flex que rende até 75 cv e câmbio manual de 5 velocidades. O hatch é vendido em três versões que vão de R$ 28.340 a R$ 34.140.

Mesmo sendo leve, o QQ tem apenas 940 kg, o consumo não é uma maravilha. De acordo com o Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular do Inmetro, o pequeno faz 8,9 km/l na cidade e 9,9 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, o hatch faz 12,9 km/l e 14,4 km/l, respectivamente. Se você precisa de espaço, o QQ vai te deixar na mão: o porta-malas tem apenas 160 litros, de acordo com a própria fabricante.

 

Para que você tenha uma noção do preço do seguro, Autoesporte cotou o Chery em três empresas: Porto Seguro, Azul Seguros e Sul América. Como base, usamos o perfil de um homem casado, 35 anos, morador da zona sul de São Paulo, com cinco anos de CNH e sem bônus. A Azul Seguros e a Sul América não aceitaram segurar o modelo. A Porto Seguro cobrou R$ 2.783.

Outro gasto que já pode ser planejado: as revisões. Até 60 mil quilômetros, o valor cobrado pelas concessionárias é de R$ 2.628.

Esqueça o ar-condicionado na versão de entrada. Apesar disso, o carro mais barato do Brasil vem equipado com vidros elétricos dianteiros, rádio AM/FM com entrada USB, regulagem de altura dos faróis e abertura interna do porta-malas. A garantia é de 3 anos. 

Apenas os QQ mais completos trazem ar-condicionado e direção hidráulica, de série nas versões Look (R$ 33.040) e Act (R$ 34.540). O top traz ainda acionamento elétrico dos retrovisores e vidros traseiros e sensor de estacionamento.   

2) Renault Kwid Life R$ 32.490

 

Lançado em julho de 2017, o Renault Kwid passou por uma série de aumentos de preços e perdeu o posto de carro mais barato do Brasil. O hatch possui três versões Life, Zen e Intense, que vão de R$ 32.490 até R$ 41.990. O motor é sempre o 1.0 flex de 3 cilindros, que tem até 70 cv e 9,8 kgfm com o câmbio manual de 5 velocidades.

Quando o assunto é consumo de combustível, o Kwid tem boas médias com etanol e gasolina. De acordo com o Inmetro, o modelo faz 10,3 km/l na cidade e 10,8 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, as médias vão para 14,9 km/l no trecho rodoviário e 15,6 km/l no trecho rodoviário. O espaço do porta-malas também agrada para a categoria: são 290 litros. Apesar do bom tamanho e de a tampa ser leve, o acesso é dificultado pelo formato do carro: a abertura não é tão larga quanto poderia ser.

 

Para ter uma noção de quanto as seguradoras cobram pelo Kwid, fizemos três cotações. A Porto Seguros cobra R$ 2.538, a Azul Seguros R$ 1.855 e a Sul América R$ 1.322. As três primeiras revisões possuem um bom preço: até 60 mil km custam R$ 2.336.

Renault Kwid de entrada vem de fábrica com Isofix, aquele sistema de fixação de cadeirinha infantil, airbags laterais e pré-disposição para o rádio. Não tem ar, trio elétrico e computador de bordo. A versão Zen é a que tem melhor custo-benefício: acrescenta ar, rádio com USB e bluetooth. A garantia é de 3 anos.

 

3) Fiat Mobi Easy R$ 32.590

 

O terceiro carro mais barato do Brasil é o Fiat Mobi na versão Easy. Mas vale lembrar que o hatch tem outras quatro versões, mas só a topo de linha Drive de R$ 43.590 tem o motor 1.0 Firefly de até 77 cv e 10,9 kgfm. As versões mais baratas vem equipadas com o antigo 1.0 Fire, que rende até 75 cv e 9,9 kgfm. Os preços vão de R$ 32.590 até R$ 46.990.

Equipado com o motor Fire, o consumo do Mobi é de 9,2 km/l na cidade e 10,2 km/l na estrada com etanol, segundo o Inmetro. Abastecido com gasolina, o hatch tem boas médias: 13,5 km/l no trecho urbano e 15,2 km/l no rodoviário. Se a sua família for grande, o Mobi também não será a melhor opção. O porta-malas comporta apenas 235 litros, segundo a Fiat.

 

Cotamos o seguro do Mobi de entrada na Porto Seguro e na Sul América. Como base, usamos o perfil de um homem casado, 35 anos, morador da zona sul de São Paulo, com cinco anos de CNH e sem bônus. Na Porto Seguro, o valor pedido foi de R$ 2.907 e na Sul América de R$ 1,312. As revisões até 60 mil km custam R$ 3.620.

De série, o Mobi de entrada não tem quase nenhum item. O hatch não vem equipado com ar-condicionado e nem mesmo trio elétrico. As rodas de aço 165/70 R13 têm pneus verdes. A próxima configuração Easy Comfort já acrescenta o ar e rodas 175/65 R14. A garantia é de 3 anos.

 

 

4) Fiat Uno Attractive R$ 42.990

 

Fiat Uno é o primeiro da lista acima dos R$ 40 mil, o que nos faz pensar que apenas três carros zero quilômetro são vendidos abaixo dessa faixa no Brasil. Em junho desse ano, a Fiat voltou no tempo e resgatou a versão Attractive com o antigo motor 1.0 8V flex de quatro cilindros de 75 cv, menos moderno. Vale dizer que não é mais possível encontrar o hatch novo com motor 1.3 Firefly e o câmbio automatizado de cinco marchas.

De acordo com o Inmetro, o Uno Attractive faz 8 km/l na cidade e 9,4 km/l na estrada com etanol. Com gasolina, o hatch faz 11,6 km/l na cidade 13,4 km/l na estrada.  O espaço para porta-malas não é dos piores: 280 litros.

 

Usamos um perfil padrão para fazer a cotação do seguro, apenas para ter uma média do valor cobrado pelo serviço. Na Porto Seguro, o preço fica em R$ 4.116, na Azul Seguros em R$ 2.702 e na Sul América em R$ 1.444. A garantia dura 3 anos e as revisões até 60 mil km custam R$ 3.180.

De série, a configuração vem com ar-condicionado, direção hidráulica, vidros dianteiros elétricos, retrovisores com setas indicadoras de troca de faixa, faróis com máscara negra e volante com regulagem de altura.

5) Chevrolet Onix Joy R$ 43.790

 

A Chevrolet usou a mesma fórmula da Fiat: manter elementos antigos para baratear o Onix. A montadora decidiu não renovar a versão de entrada Joy e manter o visual pré-facelift e uma lista de equipamentos enxuta para brigar com modelos menores. Para a configuração Joy, está disponível o motor flex 1.0 8V de quatro cilindros com 80 cv e 9,8 kgfm. O motor 1.4 só pode equipar as versões mais caras. O Onix parte de R$ 43.790 e vai até R$ 68.390.

Segundo o Inmetro, o Onix Joy faz 8,8 km/l na cidade e 10,6 km/l na estrada com etanol e 12,9 km/l no trecho urbano e 15,3 km/l no trecho rodoviário com gasolina. O porta-malas é um dos maiores dessa lista: são 313 litros, de acordo com a GM. A garantia de fábrica dura 3 anos.

Itens como ar-condicionado e direção elétrica são de série, mas há pouco mais do que isso na enxuta lista de equipamentos, desprovida de alarme, travas elétricas e equipamento de som. O MyLink deu adeus e, no lugar, oferecem uma central multimídia de aspecto simples.

O preço do seguro cotado por Autoesporte fica em R$ 3.133 pela Porto Seguro, R$ 2.126 pela Azul Seguros e R$ 1.502 pela Sul América.

Fonte: https://revistaautoesporte.globo.com/Noticias/noticia/2018/09/quais-sao-os-5-carros-mais-baratos-do-brasil.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compartilharDesktop

 

Governo dá metas para estados para reduzir à metade nº de mortos no trânsito até 2028

Em 2016, mais de 37 mil pessoas morreram em acidentes no país. Para cumprir metas, foram criadas mais de 120 ações, que devem ser tomadas por órgãos públicos.

 

O Ministério das Cidades apresentou nesta terça-feira (25) o detalhamento do Plano Nacional de Redução de Mortes e Lesões no Trânsito, chamado de Pnatrans, que tem como objetivo reduzir pela metade, ao menos, as mortes do trânsito no período de 10 anos, entre 2019 e 2028.

Caso o programa tenha êxito, a redução virá 8 anos após a meta estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é derrubar pela metade as mortes de 2011 a 2020.

Não há uma meta nacional: os objetivos foram divididos por estado, usando as informações do número de mortos no trânsito do banco de dados do Ministério da Saúde.

 

Carros bateram de frente em rodovia de Tupã (SP) — Foto: João Trentini

O sistema registra as mortes das pessoas atendidas em estabelecimentos de saúde em todo o país e é considerado a fonte mais utilizada para estudos sobre segurança viária no Brasil, de acordo com o ministério.

O objetivo do governo não é reduzir apenas os números absolutos, mas uniformizar a queda em diferentes aspectos, como grupo de habitantes e tamanho da frota, em cada estado. Também há um índice para as estradas federais.

Para tentar cumprir o plano, estão previstas mais de 120 ações, que já possuem prazo de cumprimento e órgãos responsáveis. Entre elas, há iniciativas como:

 

 

  • aumentar a fiscalização;
  • capacitação mais os agentes públicos;
  • equipar melhor departamentos de trânsito;
  • regulamentar novos itens de segurança para veículos;
  • reduzir a burocracia em alguns processos.

 

Metas para os estados

 

A referência para melhorar os índices será o ano de 2018. Para isso, o governo fez uma projeção do número de mortes no trânsito por estado até o final do ano.

Ela é dividida em dois índices: mortos por tamanho da frota (a cada 10 mil veículos) e tamanho da população (a cada 100 mil pessoas).

A partir daí, o ministério definiu metas de redução dos mortos no trânsito para 2028 (veja na tabela abaixo).

A cada ano, todos os estados terão de cumprir um percentual fixo de redução, de 6,7% ao ano, por morte a cada 100 mil pessoas.

Em relação a mortes por tamanho da frota, cada estado tem um índice anual diferente para alcançar.

Fonte: https://g1.globo.com/carros/noticia/2018/09/25/governo-da-metas-para-estados-para-reduzir-a-metade-no-de-mortos-no-transito-ate-2028.ghtml

 

Fuja de encrenca com a legislação: documento atrasado gera multa e retenção do carro.
Dirigir com documentos atrasados é uma infração gravíssima. A documentação do veículo, licenciamento e seguro obrigatório, precisam estar em dia para circular pelas ruas e vias brasileiras de forma legal.
Em caso de blitz, o motorista que for flagrado sem o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV) ou com documento atrasado recebe multa e poderá ter o carro retido até que a documentação exigida seja devidamente apresentada. A multa é gravíssima no caso de falta de licenciamento. O pagamento do CRLV é anual.

Fonte:https://www.ibahia.com/…/fuja-de-encrenca-com-a-legislacao…/

 

A imagem pode conter: céu, carro, montanha, atividades ao ar livre, texto e natureza

Placa do Mercosul ainda não terá chip previsto para veículos, diz Denatran

Função será substituída momentaneamente pelo QR Code. Prazo para todo país adotar as novas placas é 1º de dezembro, mas troca só será obrigatória em caso de transferência.

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) alterou nesta segunda-feira (24) a resolução sobre as placas do padrão Mercosul. Estava previsto que o novo modelo de identificação dos veículos teria o esperado chip prometido desde 2012, mas sua implementação não ocorrerá, por enquanto.

Todos estados brasileiros devem começar a instalar as novas placas até 1º de dezembro de 2018. Só precisarão adotá-la, a partir deste prazo, veículos zero quilômetro, os que tiverem transferência de munícipio e propriedade, ou quando existir a necessidade de substituição. 

O Rio de Janeiro foi o primeiro estado a começar instalar as novas placas do Mercosul.

De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), a função prevista para o chip de fornecimento de dados sobre o veículo, que permite a não instalação de lacre, será substituída momentaneamente pela leitura do QR Code, que já está presente nas novas placas.

O chip para veículos, chamado de Sistema Nacional de Identificação de Veículos (Siniav), teve um início frustrado em Roraima e depois foi adiado diversas vezes, até ser integrado à nova placa.

"O Siniav está em processo de estudos para que o Contran edite a nova resolução que viabilizará a sua implantação no menor espaço de tempo possível", disse o Denatran, em resposta ao G1.

Questionado sobre como será a instalação do futuro chip nas placas, o órgão disse que e processo ainda está em fase de definição.

Em primeiro projeto, chips seriam instalados no próprio veículo, mas depois passsou para as placas — Foto: Denatran/Divulgação/Arquivo

 

Em primeiro projeto, chips seriam instalados no próprio veículo, mas depois passsou para as placas — Foto: Denatran/Divulgação/Arquivo

 

O que o chip da placa vai fazer?

 

  • Envia dados do veículo por radiofrequência para antenas instaladas na via;
  • Compartilha dados entre as polícias Federal, Rodoviária e estaduais, Receita Federal e receitas estaduais;
  • Pode dar acesso a sistemas de portões e cancelas, permitindo liberação automatizada em pedágios e estacionamentos.

 

O que não vai fazer?

 

  • Não há localização ou rastreamentos por GPS;
  • Não vai conter informações sobre os condutores ou proprietários;
  • De acordo com o Denatran, não existe uma previsão de controle de velocidade pelo sistema;
  • Ainda não há uma punição prevista para quem não tiver o chip instalado.

 

 

Placa do Mercosul

 

Depois de ser atrasado por algumas vezes, o processo de adoção das placas de veículos com o padrão Mercosul está previsto para começar em todo o país até 1º de dezembro.

Não haverá obrigatoriedade de troca de placas para os veículos que já estão em circulação. Isso quer dizer que um veículo já emplacado poderá circular com o modelo atual até o fim da vida, se permanecer com o mesmo dono e no mesmo munícipio.

Quando começa a valer a nova placa?

 

  • Começa em 1º de dezembro de 2018;
  • A partir desta data, a placa do Mercosul será instalada em modelos zero quilômetro, veículos que passarem por processo de transferência de município ou propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas;
  • Os proprietários de veículos que já estão em circulação podem escolher se querem antecipar a troca ou não.

 

Fonte: https://g1.globo.com/carros/noticia/2018/09/24/placa-do-mercosul-ainda-nao-tera-chip-previsto-para-veiculos-diz-denatran.ghtml

Projeto torna obrigatório sistema de segurança em carros com vidros elétricos automatizados

 

Projeto em análise no Senado pode prevenir acidentes causados por vidros elétricos de fechamento automatizado, que não exigem a pressão contínua do botão. O PLS 150/2018 torna obrigatória a presença de proteção antiesmagamento em veículos com vidros elétricos e outros dispositivos, como tetos solares, quando houver fechamento com automação.

O sistema antiesmagamento garante que o vidro do carro pare de subir ao detectar a presença de algo que impeça o fechamento completo. Quando isso acontece, o sentido é invertido, ou seja, o dispositivo volta a abrir a janela automaticamente. A ausência desse tipo de proteção pode levar a acidentes graves e até à morte por estrangulamento, especialmente de crianças.

De acordo com o autor do projeto, senador José Pimentel (PT-CE), a presença desses dispositivos de segurança já é prevista em uma resolução de 2013 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Os efeitos da resolução, explicou o senador, passaram a valer em 2017, mas algumas empresas têm recorrido à Justiça contra a obrigatoriedade dos dispositivos.

Uma das alegações mais comuns é de que o Contran não tem poder para editar essas regras. Pimentel afirma que, para preencher essa lacuna, é preciso transformar em lei o conteúdo da resolução, com ajustes no texto para evitar dúvidas de interpretação que pode servir como brechas para o descumprimento da norma.

Acidentes

Ao apresentar o texto, Pimentel afirmou que, nos Estados Unidos, nos últimos 15 anos, mais de 80 crianças foram vítimas desse tipo de acidente. No Brasil, apesar de não haver um estimativa em números, há vários casos noticiados pela imprensa. Os cinco casos citados pelo senador vitimaram crianças e um adolescente com deficiência.

A proteção contra esmagamento é exigida para vidros, tetos e painéis elétricos com automação para o fechamento, seja por controle remoto ou pela função “one-touch” (toque único) dos botões internos de comando. Vidros com acionamento manual ou com acionamento elétrico que não tenham esse tipo de automação não precisarão da proteção.

O projeto está na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), onde tem como relator o senador José Agripino (DEM-RN).

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/09/18/projeto-torna-obrigatorio-sistema-de-seguranca-em-carros-com-vidros-eletricos-automatizados

 

ANTT quer multa de R$ 5 mil para transporte de carga abaixo da tabela

Multa seria aplicada por viagem ao contratante do serviço

 

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou hoje (10) que estuda aplicar multa de R$ 5 mil por viagem àqueles que contratarem transporte rodoviário de carga com valor inferior ao disposto pela Agência. A ANTT disse estudar também a aplicação de R$ 3 mil para quem anunciar ou intermediar a contratação de frete com valor inferior aos piso mínimo.

As propostas constam de audiência pública, aprovada pela agência regulatória na semana passada, cuja documentação foi apresentada nesta segunda-feira (10) pela ANTT. Segundo a agência reguladora, a audiência "tem o objetivo de discutir medidas adicionais para garantir o cumprimento dos pisos mínimos de frete".

As sugestões à proposta apresentada poderão ser enviadas até as 18h do dia 10 de outubro, por meio de formulário disponível no site da ANTT, por via postal ou durante a sessão pública de audiência, que ocorre no dia 9 de outubro, na sede da ANTT, em Brasília (DF).

Na última quarta-feira (5), a ANTT publicou alterações na tabela de frete mínimo, após o reajuste, no dia 31 de agosto, de 13% no preço do diesel nas refinarias. A tabela considera o preço mínimo por quilômetro, eixo e carga transportada, além dos custos.

Política nacional

A Lei 13.703, de 2018, que instituiu a Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, prevê que uma nova tabela com frete mínimo deve ser publicada quando houver oscilação superior a 10% no preço do óleo diesel no mercado nacional.

A política foi uma das reivindicações dos caminhoneiros que paralisaram as estradas de todo o país em maio. A lei especifica que os pisos mínimos de frete deverão refletir os custos operacionais totais do transporte, definidos e divulgados nos termos da ANTT, com priorização dos custos referentes ao óleo diesel e aos pedágios.

De acordo com a legislação, a ANTT publicará duas vezes por ano, até os dias 20 de janeiro e 20 de julho, uma norma com os pisos mínimos referentes ao quilômetro rodado por eixo carregado, consideradas as distâncias e as especificidades das cargas, bem como planilha de cálculos utilizada para a obtenção dos pisos mínimos. A norma será válida para o semestre em que for editada. Uma primeira tabela foi publicada pela ANTT em maio.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2018-09/antt-quer-multa-de-r-5-mil-para-transporte-de-carga-abaixo-da-tabela

Proposta fixa regras para Contran mudar processo de obtenção de CNH

 

Proposta em análise na Câmara dos Deputados estabelece que as determinações do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que impliquem reajustes de valores de taxas, multas ou arrecadação somente poderão passar a vigorar um ano após a data da publicação do ato.

Ainda segundo o projeto de lei (PL 9805/18), os reajustes serão limitados ao índice de reajuste do salário mínimo. Apresentada pelo deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), a proposta acrescenta artigo ao Código Brasileiro de Trânsito (Lei 9.503/97).

O projeto também estabelece que as mudanças no processo de formação do candidato à obtenção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) que alterem seu conteúdo didático-pedagógico, carga horária, avaliações, exames, execução e fiscalização deverão também observar o princípio da anualidade.

Além disso, as mudanças deverão ser justificadas e acompanhadas de demonstrativo do impacto financeiro para os candidatos à habilitação, órgãos ou terceiros envolvidos no processo.

Insegurança jurídica

Para o parlamentar, a alteração constante dos conteúdos, carga horária e das avaliações, e exames do processo de concessão da CNH causa insegurança jurídica nos condutores.

Ele ressalta que o processo de concessão da CNH é um dos mais caros do mundo, custando em média entre R$ 1.300 e R$ 2 mil, o que inviabilizaria o acesso de muitas pessoas à licença para dirigir.

“Em 2017, dados dos próprios órgãos de trânsito indicam uma queda de 25% nos processos de habilitação, o que medidas de reajustes somente tendem a agravar, se não observarem critérios mínimos de estabelecimento dos valores, e prazo para sua entrada em vigor”, disse Lorenzoni.

“Não é admissível que o Contran siga utilizando de suas prerrogativas, mediante critérios obscuros, para impor ônus ainda mais elevados para a obtenção de um documento essencial como a CNH, o que só parece interessar ao caixa para os governos ou para o aumento dos lucros de terceiros envolvidos no processo de concessão ou renovação do documento”, acrescentou.

Tramitação

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pelas comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

As informações são da Agência Câmara

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/instrutor-e-cfc/proposta-fixa-regras-para-contran-mudar-processo-de-obtencao-de-cnh/

A Agência Nacional de Transpores Terrestres, fiscaliza o transporte ferroviário de cargas e passageiros do Sistema Nacional. O objetivo é supervisionar e/ou regular as atividades e prestações de serviços para que passageiros e cargas estejam em segurança. Com isso e necessário que o transportador tenha licença junto ao órgão.

 

A imagem pode conter: céu e atividades ao ar livre

PLS estabelece que multa de trânsito por infração leve seja convertida em advertência

 

Multa de trânsito poderá ser convertida em advertência escrita, determina projeto apresentado pelo senador Dário Berger (MDB-SC). O texto aguarda a sugestão de emendas na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Pela proposta (PLS 370/2018), a multa aplicada por infração de natureza leve ou média será convertida em advertência por escrito, sempre que o condutor, ciclista ou pedestre não houver cometido nenhuma outra infração nos últimos 12 meses. Em caso de reincidência de ciclista ou pedestre, a multa poderá ser convertida na participação em curso de segurança viária. O projeto também exclui a previsão de acréscimo no valor da multa por reincidência.

O autor da matéria argumenta que, embora expressamente prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503/1997), a advertência não tem sido adequadamente aplicada. Em regra, diz o senador, a autoridade de trânsito aplica imediatamente a penalidade de multa aos cidadãos que cometem infrações de trânsito. Dário Berger ressalta que seu projeto seria uma solução para essa questão, já que a conversão será obrigatória, desde que obedecidos certos requisitos.

Para o autor, sua proposta ainda pode ajudar a acabar com “a indústria da multa”. Com base em informações da Secretaria Municipal de Transportes de São Paulo (SP), Dário Berger destaca que apenas 5% dos veículos paulistanos são responsáveis por mais da metade das infrações. Segundo o senador, esses dados provam que seu projeto não significará aumento da impunidade no trânsito, uma vez que “esses infratores contumazes muito raramente se beneficiarão da advertência”.

As informações são da Agência Senado

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/agente-de-transito/pls-estabelece-que-multa-de-transito-por-infracao-leve-seja-convertida-em-advertencia/

“Nós somos o trânsito” é o tema da Semana Nacional de Trânsito em 2018

Iniciativa é realizada desde 1997 e promove campanhas educativas para conscientizar a população sobre o papel de cada um na redução de acidentes

Por Assessoria de Imprensa.

 

Conscientização, tecnologia e condutas adequadas por parte de todos podem diminuir o número de vítimas no trânsito. Foto: Arquivo Perkons

Um dos impactos positivos da Lei Seca, em vigor no Brasil há 10 anos, é a redução de 2,4% do número de mortes por acidentes de trânsito no país. Os estados que registraram quedas mais significativas foram São Paulo (25,4%), Espírito Santo (21,8%), Santa Catarina (19%), Distrito Federal (17,5%) e Paraná (15,9%). Em contrapartida, houve aumento da mortalidade no Pará (39,4%), Maranhão (39%), Piauí (37,2%), Bahia (36,8%) e Tocantins (26,5%).

Além de tornar a legislação mais rígida – como na alteração da Lei Seca em 2012, que aumentou a multa para condutores flagrados dirigindo alcoolizados -, as campanhas educativas são mais uma alternativa no intuito de conscientizar motoristas e demais usuários da via, e diminuir o número de sinistros.

Assim, desde 1997, o período entre os dias 18 e 25 de setembro está estabelecido como a Semana Nacional do Trânsito. A iniciativa é caracterizada por uma série de eventos e ações educativas, promovidas por órgãos e entidades que integram o Sistema Nacional de Trânsito. Todos os anos o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) escolhe um tema como pano de fundo para as ações da Semana, e o de 2018 é “Nós somos o trânsito”. A ideia é envolver toda a sociedade na reflexão sobre uma nova forma de encarar a mobilidade. Trata-se de um estímulo para que todos os condutores, ciclistas, pedestres e passageiros optem por um trânsito mais seguro.

Na opinião de José Aurelio Ramalho, diretor-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), os acidentes não acontecem por acaso e são frutos de escolhas inadequadas e arriscadas por parte de condutores e pedestres. Para ele, 90% dos sinistros têm motivação em falhas humanas como imperícia, imprudência e desatenção. “Somos os responsáveis pelos nossos atos no trânsito e ter consciência clara disso é um dos caminhos para a reversão do triste cenário atual, não só do Brasil, mas de todo o mundo”, avalia Ramalho.

Segundo o diretor-presidente do ONSV, aderir à Semana Nacional do Trânsito é fazer parte de um movimento social em favor da vida. A iniciativa é uma forma de alertar toda a sociedade sobre os números alarmantes de mortos e feridos no trânsito brasileiro, a fim de diminuí-los. E é, especialmente, trabalhar com um novo significado para os deslocamentos. “A expectativa é que o número de vítimas do trânsito diminua através da conscientização. O tema segurança no trânsito deve ser sempre abordado, nas mais diferentes esferas da sociedade, para que cada um dos usuários do sistema viário possa fazer a sua parte por um trânsito mais seguro. O comportamento do condutor sempre influencia na forma como ele reagirá durante seus deslocamentos, por isso, trabalhamos com a conscientização”, diz.

Tecnologia contribui na soma esforços em prol da vida

A tecnologia é mais uma ferramenta utilizada para promover as mudanças tão almejadas no trânsito. Luiz Gustavo Campos, diretor e especialista em trânsito da Perkons, empresa que desenvolve e aplica tecnologia para a segurança no trânsito, conta que os radares, como são, de modo geral, conhecidos os equipamentos de fiscalização eletrônica de trânsito, acabam por inibir o condutor a praticar altas velocidades, induzindo-o a respeitar o limite imposto em cada via. “Além disso, muitos desses dispositivos possuem outras funções, como registrar avanço de sinal vermelho, circulação em faixa exclusiva e conversões proibidas; sempre com o objetivo de tornar as vias mais humanas e seguras para todos”, explica.

Para Campos, os equipamentos de fiscalização somam esforços às campanhas e ações educativas, sendo eficazes para tornar o trânsito menos violento.

“Cada indivíduo precisa refletir sobre seu comportamento e seus deveres quanto usuário das ruas e vias, e também lutar por seus direitos, como usufruir de estradas seguras e bem sinalizadas. O mote “Nós somos o trânsito” mostra que todos têm papel determinante para minimizar as ocorrências e, consequentemente, reduzir o número de vítimas no trânsito”, acrescenta o especialista.

Fonte: http://portaldotransito.com.br/educacao/semana-nacional-de-transito/nos-somos-o-transito-e-o-tema-da-semana-nacional-de-transito-em-2018/

Detran dá a largada para adotar a nova placa padrão Mercosul no DF

 

Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) já começou a contagem regressiva para adotar a placa Mercosul, padrão que unifica e integra a identificação de veículos em todos os países-membros do Mercado Comum do Sul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai).

A nova placa terá, em vez de três letras e quatro números, três letras, um número, uma letra e dois números (BRA 3A18, por exemplo).

Segundo Uelson Prazeres, da diretoria de Controle de Veículos e Condutores do Detran-DF, a data-limite para a implantação dos novos modelos em todo o país é 1º de dezembro deste ano.

Porém, o processo de licitação da empresa que fará as novas placas – físicas, pois a tecnologia é exclusiva do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) – já começou. Agora, será feita a compra das blanks (a chapa pronta) a uma das empresas credenciadas junto ao Denatran e, seguida, esta as distribuirá no DF. A partir de então, as 17 estampadoras credenciadas só poderão usar as chapas dessa empresa credenciada..

Preços
Os valores de emplacamento continuam a cargo de cada Detran e variam de estado para estado. No Rio de Janeiro, que adotou o novo padrão ontem (10/9), o valor das placas vai custar o mesmo do antigo modelo. Assim também deve ocorrer no Distrito Federal.

Aliás, toda a gestão da integração do processo de implantação da placa Mercosul será do Serpro, que ficará responsável pela rastreabilidade digital das etapas de fabricação, distribuição, recebimento, autorização de estampagem, inutilização e vinculação das chapas aos veículos.

Tudo isso será feito por meio de QR Code estampado em cada uma, que contém informações sobre o fabricante, data da fabricação e até número de série.

Mas essa nova placa garante algum benefício ao cidadão? A diretora-presidente do Serpro, Glória Guimarães, afirma que sim: mais agilidade nos processos de transferência e emplacamento, por exemplo, e minimizam a ocorrência de fraudes e falsificações, como a clonagem.

O credenciamento e o controle dos fabricantes e das empresas estampadoras das novas placas de identificação veicular serão feitos pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

O que muda
O novo padrão será implementado em automóveis zero-quilômetro e naqueles que estejam em processo de transferência de município e de propriedade, ou quando houver a necessidade de troca da placa por um outro motivo. Os proprietários de veículos já em circulação podem escolher se querem antecipar a troca da chapa para o novo modelo.

A placa padrão Mercosul tem a mesma dimensão da antiga e possui mais letras e menos números, sendo composta por três letras, um número, uma letra e dois números (BRA 3A18, por exemplo). Na parte superior, apresenta o nome do país sobre uma barra azul e os brasões do estado e do município na lateral direita.

A cor de fundo da placa é sempre branca e não varia conforme o tipo de automóvel, ao contrário do modelo anterior. O que muda é a cor das letras, dos números e da borda da chapa. Veículos particulares, comerciais, oficiais, diplomáticos, especiais e de colecionadores apresentam, respectivamente, as cores preta, vermelha, azul, dourada, verde e prateada.

 

Perguntas e respostas

O que é a placa Mercosul?
Novo padrão de identificação de veículos no Brasil, resultado de um acordo firmado em 2014, entre os países integrantes do Mercado Comum do Sul (Mercosul), que atualmente é formado por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

O objetivo da adoção da nova placa é padronizar e facilitar a identificação dos veículos nos países-membros do Mercosul e garantir mais segurança contra falsificações e fraudes. Esse novo modelo já é utilizado na Argentina e no Uruguai.

O que muda no novo padrão adotado?

Cor – O fundo das placas é branco. O que varia é a cor dos números e letras. Veículos particulares: preto. Comerciais: vermelho. Carros oficiais: azul. Especiais em teste: verde. Diplomáticos: dourado. Colecionador: prata.

Localidade – O nome do país está na parte superior da placa, sobre uma barra azul. O estado e o município estão na lateral direita, acompanhados dos respectivos brasões.

Tamanho – A nova placa tem as mesmas medidas do modelo antigo: 40cm de comprimento por 13cm de largura.

Segurança – O novo padrão possui um QR Code, gerado pelo Serpro, que armazena informações sobre o fabricante, data da fabricação e o número serial da placa. O código bidimensional pode ser lido por aplicativo, disponibilizando aos agentes de trânsito dados do veículo, do proprietário, do fabricante e do estampador.

O novo padrão de placa terá chip e lacre?
Na Resolução n° 729/2018, existe a previsão do chip, mas a novidade ainda não estará presente no novo modelo. O lacre de segurança continua a existir, mas será dispensado quando for implementada a tecnologia do chip nas placas.

A partir de quando a placa Mercosul será adotada em todo o país?
Os Detrans têm até o dia 1º de dezembro de 2018 para começarem a adotar o novo padrão, conforme as resoluções nº 729/2018 e nº 733/2018 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Todos os veículos deverão ter a nova placa?
A placa no padrão Mercosul será implementada em modelos zero-quilômetro e em veículos que estejam em processo de transferência de município e de propriedade, ou quando houver a necessidade de troca por outro motivo.

Os proprietários de veículos já circulando podem escolher se querem antecipar a troca para o novo padrão. A nova sequência alfanumérica das placas em circulação vai obedecer a uma tabela de conversão em que o número 0 (zero) corresponde à letra A, o número 1 (um) equivale à letra B e assim sucessivamente, até chegar ao número 9, associado à letra J. Portanto, uma placa que antes era XAZ 3455 vai passar a ser XAZ 3D55 no novo padrão Mercosul.

Motos também terão o mesmo padrão de placa?
As placas de motocicletas seguem o mesmo padrão daquelas de carros, mudando apenas a dimensão, que é 20cm x 20cm.

Fonte: https://www.metropoles.com/colunas-blogs/entre-eixos/detran-da-a-largada-para-adotar-a-nova-placa-padrao-mercosul-no-df

A Transferência de Veículo se faz necessária no momento da aquisição do veículo usado. Pois quem não transfere juridicamente não é o dono.
O Despachante Sudoeste, oferece agilidade nos serviços! conte conosco!

(64) 3531-9037 / 9 9279-3168
atendimento1@despachantesudoeste.com.br

(64) 3431-9037 / 9 92793465
atendimento2@despachantesudoeste.com.br

Avenida Afonso Pena, 1045 - Centro

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo

 

O que muda na carteira de motorista no próximo ano

Semelhante ao cartão de crédito, a nova CNH reunirá dados cadastrais do motorista na parte impressa e na memória.

Com o objetivo de oferecer soluções mais seguras e modernas à população brasileira, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) do Ministério das Cidades mudará no próximo ano o formato e o material de confecção da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).  O documento, que hoje é emitido em papel, passa a ser em suporte de cartão plástico, do tipo policarbonato, contendo microcontrolador (chip), em forma de cartão inteligente, semelhante ao cartão de crédito.

 

 

Conforme a resolução 718 do Contran, o novo documento reunirá dados cadastrais do motorista, tanto na parte impressa quanto na memória digital. As informações poderão ser lidas por smartphones dotados de aplicativos desenvolvidos para agentes de trânsito.

 

 

O governo também pretende editar uma medida provisória que aumentará o prazo de validade do documento. Na proposta em análise no Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), os motoristas terão que fazer exames médicos a cada cinco anos, sem que seja necessário pagar taxa, apresentar documentação e tirar outra foto no Detran para receber a nova CNH, como acontece hoje.

 

 

Após o condutor completar 55 anos, a periodicidade dos exames cai para dois anos e meio. A partir dos 70, passam a ser feitos anualmente. O motorista deverá economizar R$ 53,00 a cada cinco anos, que é a soma das taxas atuais de emissão e de entrega em domicílio do documento.

A nova regra só será possível com a adoção de tecnologias de segurança. Até 1º de janeiro de 2019 os órgãos e entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal deverão adequar seus procedimentos para adoção do novo modelo da CNH.

 

 

Além da resistência e alta durabilidade, a nova carteira de habilitação considera a possibilidade de inserção de dados e informações relativos aos condutores nos chips embarcados, bem como facilita acesso a certificados digitais. Ela amplia as possibilidades de utilização dos documentos e a consulta e verificação de inúmeros dados.

Novo modelo terá informações que poderão ser lidas com o uso de smartphones

Novo modelo terá informações que poderão ser lidas com o uso de smartphones

Novo modelo terá informações que poderão ser lidas com o uso de smartphones

 

Atrasos previstos

A primeira medida para reduzir as fraudes nas CNHs entrou em vigor em maio de 2017. Desde então, todas as carteiras emitidas no Brasil trazem QR Code (código para leitura digital de informações) com dados dos motoristas, mas ainda impressas em papel-moeda. Há também versão digital.

O Departamento Nacional de Trânsito informou que “as empresas (que produzirão as carteiras) serão previamente credenciadas e posteriormente habilitadas pelos Detrans, seguindo o mesmo modelo de negócio atual”. Esse processo ainda não teve início. O cronograma publicado pelo Contran prevê que as novas carteiras sejam emitidas a partir de janeiro, mas são esperados atrasos. A adoção do QR Code, bem mais simples, só começou cinco meses após a data que constava na resolução.

 

 

Já a medida provisória que modificará a forma de emissão deverá ser publicada antes das eleições, e é vista como uma tentativa de melhorar a popularidade do governo Michel Temer em sua reta final. O responsável pela proposta é o ministro das Cidades, Alexandre Baldy.

Fonte: http://www.gaz.com.br/conteudos/geral/2018/08/27/128085-o_que_muda_na_carteira_de_motorista_no_proximo_ano.html.php

 

 

Vereador propõe desconto de até 40% em multas de trânsito na capital

Projeto é de autoria do vereador Zander Fábio e começou a tramitar na Câmara nesta semana

O vereador Zander Fábio (Patriota) apresentou projeto na Câmara, nesta quarta-feira (5), dispondo sobre desconto para o pagamento de multas de trânsito na capital. Segundo a proposta, para casos de pagamento dos valores até a data do vencimento, o desconto deverá ser de 40% e para os casos de pagamento após o vencimento, de 30%.

Na emissão do documento de arrecadação de multas de trânsito constará o valor integral da multa e o valor a ser pago com os referidos descontos. Somente será concedido o desconto nas hipóteses em que o infrator opte ou tenha optado por não apresentar recurso e/ou defesa prévia.

“Em maio de 2016, foi editada a Lei Federal número 13281, que alterou diversos dispositivos do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), incluindo, dentre outras, a possibilidade de criação de um Sistema de Notificação Eletrônica, que possibilita, além de outras medidas, o abatimento de 40% do valor da multa de trânsito, caso o infrator opte por realizar o pagamento sem apresentar recurso e/ou defesa prévia, cabendo ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) a regulamentação do sistema”, justifica Zander.

“A Resolução número 622 do Contran criou o referido sistema, estabelecendo nova forma de notificação eletrônica, mais rápida e eficiente, contudo, caberá a adesão ao sistema informatizado e o Município ainda não o fez. Com isso, os cidadãos goianienses ainda estão impedidos de usufruir do benefício instituído por lei”, argumenta.

Prazo

Nesse sentido, sustenta Zander Fábio, o desconto automático de que trata o projeto por ele assinado vigorará, para os infratores que pagarem as multas de trânsito até a data do vencimento, até a adesão da Prefeitura de Goiânia ao Sistema de Notificação Eletrônica a que se refere o parágrafo primeiro do artigo 284 do CTB, regulamentado pela Resolução 622, de 6 de setembro de 2016, do Contran.

Para aqueles que, por sua vez, pagarem as multas após a data do vencimento, o desconto em questão vigorará até 18 meses após a publicação da lei municipal – caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo Executivo.

“É inadmissível que os cidadãos do Município de Goiânia sejam prejudicados pela inércia do órgão responsável pela adesão ao sistema, pretendendo a presente proposta conceder a estes o direito ao benefício de forma antecipada e compelir o Governo a aderir ao sistema nacional”, arremata o parlamentar. (Da Câmara de Goiânia).

Fonte:

https://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/vereador-propoe-desconto-de-ate-40-em-multas-de-transito-na-capital-136109/

 

 

Vereador propõe desconto de até 40% em multas de trânsito na capital

Projeto é de autoria do vereador Zander Fábio e começou a tramitar na Câmara nesta semana

O vereador Zander Fábio (Patriota) apresentou projeto na Câmara, nesta quarta-feira (5), dispondo sobre desconto para o pagamento de multas de trânsito na capital. Segundo a proposta, para casos de pagamento dos valores até a data do vencimento, o desconto deverá ser de 40% e para os casos de pagamento após o vencimento, de 30%.

Na emissão do documento de arrecadação de multas de trânsito constará o valor integral da multa e o valor a ser pago com os referidos descontos. Somente será concedido o desconto nas hipóteses em que o infrator opte ou tenha optado por não apresentar recurso e/ou defesa prévia.

“Em maio de 2016, foi editada a Lei Federal número 13281, que alterou diversos dispositivos do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), incluindo, dentre outras, a possibilidade de criação de um Sistema de Notificação Eletrônica, que possibilita, além de outras medidas, o abatimento de 40% do valor da multa de trânsito, caso o infrator opte por realizar o pagamento sem apresentar recurso e/ou defesa prévia, cabendo ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) a regulamentação do sistema”, justifica Zander.

“A Resolução número 622 do Contran criou o referido sistema, estabelecendo nova forma de notificação eletrônica, mais rápida e eficiente, contudo, caberá a adesão ao sistema informatizado e o Município ainda não o fez. Com isso, os cidadãos goianienses ainda estão impedidos de usufruir do benefício instituído por lei”, argumenta.

Prazo

Nesse sentido, sustenta Zander Fábio, o desconto automático de que trata o projeto por ele assinado vigorará, para os infratores que pagarem as multas de trânsito até a data do vencimento, até a adesão da Prefeitura de Goiânia ao Sistema de Notificação Eletrônica a que se refere o parágrafo primeiro do artigo 284 do CTB, regulamentado pela Resolução 622, de 6 de setembro de 2016, do Contran.

Para aqueles que, por sua vez, pagarem as multas após a data do vencimento, o desconto em questão vigorará até 18 meses após a publicação da lei municipal – caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo Executivo.

“É inadmissível que os cidadãos do Município de Goiânia sejam prejudicados pela inércia do órgão responsável pela adesão ao sistema, pretendendo a presente proposta conceder a estes o direito ao benefício de forma antecipada e compelir o Governo a aderir ao sistema nacional”, arremata o parlamentar. (Da Câmara de Goiânia).

Fonte:

https://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/vereador-propoe-desconto-de-ate-40-em-multas-de-transito-na-capital-136109/

 

 

Projeto é de autoria do vereador Zander Fábio e começou a tramitar na Câmara nesta semana

O vereador Zander Fábio (Patriota) apresentou projeto na Câmara, nesta quarta-feira (5), dispondo sobre desconto para o pagamento de multas de trânsito na capital. Segundo a proposta, para casos de pagamento dos valores até a data do vencimento, o desconto deverá ser de 40% e para os casos de pagamento após o vencimento, de 30%.

Na emissão do documento de arrecadação de multas de trânsito constará o valor integral da multa e o valor a ser pago com os referidos descontos. Somente será concedido o desconto nas hipóteses em que o infrator opte ou tenha optado por não apresentar recurso e/ou defesa prévia.

“Em maio de 2016, foi editada a Lei Federal número 13281, que alterou diversos dispositivos do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), incluindo, dentre outras, a possibilidade de criação de um Sistema de Notificação Eletrônica, que possibilita, além de outras medidas, o abatimento de 40% do valor da multa de trânsito, caso o infrator opte por realizar o pagamento sem apresentar recurso e/ou defesa prévia, cabendo ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) a regulamentação do sistema”, justifica Zander.

“A Resolução número 622 do Contran criou o referido sistema, estabelecendo nova forma de notificação eletrônica, mais rápida e eficiente, contudo, caberá a adesão ao sistema informatizado e o Município ainda não o fez. Com isso, os cidadãos goianienses ainda estão impedidos de usufruir do benefício instituído por lei”, argumenta.

Prazo

Nesse sentido, sustenta Zander Fábio, o desconto automático de que trata o projeto por ele assinado vigorará, para os infratores que pagarem as multas de trânsito até a data do vencimento, até a adesão da Prefeitura de Goiânia ao Sistema de Notificação Eletrônica a que se refere o parágrafo primeiro do artigo 284 do CTB, regulamentado pela Resolução 622, de 6 de setembro de 2016, do Contran.

Para aqueles que, por sua vez, pagarem as multas após a data do vencimento, o desconto em questão vigorará até 18 meses após a publicação da lei municipal – caso o projeto seja aprovado e sancionado pelo Executivo.

“É inadmissível que os cidadãos do Município de Goiânia sejam prejudicados pela inércia do órgão responsável pela adesão ao sistema, pretendendo a presente proposta conceder a estes o direito ao benefício de forma antecipada e compelir o Governo a aderir ao sistema nacional”, arremata o parlamentar. (Da Câmara de Goiânia).

Fonte:

 

Fique atento, a data de vencimento é 12/09. Conte com a gente para licenciar seu veículo!

A imagem pode conter: carro, atividades ao ar livre e texto

 

Valores já estão estabelecidos e começam a valer nesta quarta-feira (05)
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) determinou que, a partir das 00h desta quarta-feira (05), os valores das praças de pedágio das BR’s 060 e 153 em Goiás serão reduzidos em 6,74%.
Publicada no Diário Oficial da União (DOU), a tarifa para a categoria 1, na praça de Alexânia, passa de R$ 4,90 para R$ 4,60; em Goianápolis, de R$ 3,6 para R$ 3,30; em Piracanjuba/Professor Jamil, a tarifa passa de R$ 5,20 para R$4,90.
Em nota, a ANTT esclarece que a revisão da tarifa acontece a partir da previsão contratual e utiliza de valores e percentuais definidos pelos parâmetros do próprio órgão, além de “incluir fatores depreciativos pelo não-cumprimento por parte da empresa de parâmetros exigidos no contrato.”
Fonte: https://portal6.com.br/…/antt-reduz-tarifa-de-pedagio-em-r…/

Nenhum texto alternativo automático disponível.

 

Valores já estão estabelecidos e começam a valer nesta quarta-feira (05)
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) determinou que, a partir das 00h desta quarta-feira (05), os valores das praças de pedágio das BR’s 060 e 153 em Goiás serão reduzidos em 6,74%.
Publicada no Diário Oficial da União (DOU), a tarifa para a categoria 1, na praça de Alexânia, passa de R$ 4,90 para R$ 4,60; em Goianápolis, de R$ 3,6 para R$ 3,30; em Piracanjuba/Professor Jamil, a tarifa passa de R$ 5,20 para R$4,90.
Em nota, a ANTT esclarece que a revisão da tarifa acontece a partir da previsão contratual e utiliza de valores e percentuais definidos pelos parâmetros do próprio órgão, além de “incluir fatores depreciativos pelo não-cumprimento por parte da empresa de parâmetros exigidos no contrato.”
Fonte: https://portal6.com.br/…/antt-reduz-tarifa-de-pedagio-em-r…/

Nenhum texto alternativo automático disponível.

 

PF investigará mensagens sobre suposta greve de caminhoneiros, diz ministério

Entidades já afirmaram não apoiar eventual greve e disseram que imagem nas redes sociais é de associação que não representa categoria. Autores responderão por crime contra a economia popular.

 

 

Por G1, Brasília

03/09/2018 17h38  Atualizado há 14 horas

 

O Ministério da Segurança Pública divulgou uma nota nesta segunda-feira (3) na qual informou que a Polícia Federalinvestigará mensagens que circulam no WhatsApp sobre uma suposta nova paralisação de caminhoneiros.

As principais entidades que representam a categoria – a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e a Associação Brasileira dos Caminheiros (Abcam) – já disseram que não apoiam uma eventual nova greve e afirmaram que uma imagem que circula nas redes sociais é de uma associação que não representa os caminhoneiros.

"Por determinação do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a Polícia Federal investigará mensagens com informação falsa sobre uma suposta paralisação de caminhoneiros, que circulam por Whatsapp desde a madrugada do dia 3 deste mês", diz a nota do ministério.

Na última sexta-feira (31), a Petrobras anunciou reajuste de 13% no preço do litro do óleo diesel. No sábado (1º), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou que, diante do aumento, atualizará os preços da tabela de fretes.

 

O que dizem as entidades

 

Neste domingo (2), o presidente da CNTA, Diumar Bueno, afirmou ao G1que não há chance de paralisação entre os associados.

Ele afirmou, também, que nenhuma entidade sindical que coordenou e participou do movimento anterior está se organizando para uma paralisação.

 

"Nós não podemos a qualquer situação tentar promover movimento nacional de paralisação de caminhoneiros. Isso vai desvalorizar, desmerecer, perder a credibilidade para a categoria que teve o reconhecimento nacional da sua importância", afirmou.

 

A Abcam, por sua vez, divulgou uma nota na qual afirmou que, independentemente do aumento do preço internacional, o governo deve cumprir a medida provisória nº 838/2018 e manter a subvenção de R$ 0,46 do valor do diesel até o final do ano.

 

"A Abcam se mantém vigilante no cumprimento do acordo realizado com o governo federal. A associação, que sempre acreditou no diálogo, fará o possível para evitar uma nova paralisação", disse.

 

Procurada, a Casa Civil informou que o governo federal cumpre o que foi combinado com os caminhoneiros em maio e continua dialogando com a categoria.

 

Em nota, a pasta também informou que as ameaças de paralisação que circulam nas redes sociais não são dos líderes que comandaram a greve há pouco mais de três meses.

 

Íntegra

 

Leia abaixo a íntegra da nota:

NOTA À IMPRENSA

Por determinação do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a Polícia Federal investigará mensagens com informação falsa sobre uma suposta paralisação de caminhoneiros, que circulam por Whatsapp desde a madrugada do dia 3 deste mês.

Desmentida pela Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), entre outras representantes da categoria, as mensagens se enquadram na categoria de fake news e seus autores e veiculadores podem responder por crime contra a economia popular e por publicidade enganosa.

Segundo a Abcam, áudios e imagens veiculadas nas redes são materiais antigos, dos protestos de maio, e voltaram a circular nesse fim de semana como se fossem atuais.

Essas ações causam transtorno à população, prejuízo ao mercado produtor e de serviços, constituem grave fator de desestabilização e têm grande potencial para provocar desordem pública.

Seus autores e veiculadores, portanto, estão sujeitos às consequências das legislações que classificam os crimes contra a economia popular e contra o consumidor, conforme abaixo:

Lei nº 1521/51 (crimes contra a economia popular) – Artigo 2º, inciso IX: São crimes dessa natureza: obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos).

A pena prevista é de detenção de 6 meses a 2 anos, mais pagamento de multa.

Artigo 3º, inciso VI, da mesma lei: provocar alta ou baixa de preços de mercadorias, títulos públicos, valores ou salários, por meio de notícias falsas, operações fictícias ou qualquer outro artifício. Quem cometer esse crime está sujeito a detenção de 2 a 10 anos e multa.

Código de Defesa do Consumidor - Artigo 67: fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser enganosa ou abusiva, com pena de detenção de 3 meses a 1 ano e multa.

 

Lei 8.137/90 (crimes contra a ordem tributária, econômica e relação de consumo) Artigo 7º - induzir o consumidor ou usuário a erro, por via de indicação ou afirmação falsa ou enganosa sobre a natureza, qualidade do bem ou serviço, utilizando-se de qualquer meio, inclusive a veiculação ou divulgação publicitária. A pena prevista é de detenção de 2 a 5 anos e pagamento de multa.

A pena total para quem cometer crime contra a economia popular e ferir o Código de Defesa do Consumidor, conforme legislação citada, é de detenção de 4 anos e 9 meses até 18 anos mais pagamento de multa.

Assessoria de Comunicação Social

Ministério da Segurança Pública

Fonte: https://g1.globo.com/politica/noticia/2018/09/03/pf-investigara-mensagens-sobre-suposta-greve-de-caminhoneiros-diz-ministerio.ghtml

ANTT informa que atualizará preços da tabela de fretes

Agência havia dito, primeiro, que publicaria nova versão da tabela, mas, depois, informou somente que 'promoverá os ajustes necessários' no preço.

 

Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informou que atualizará os preços da tabela de fretes do transprote rodoviário de cargas.

Numa primeira nota, divulgada neste sábado (1º), a agência havia dito que publicaria uma nova versão da tabela. Mas, depois, a ANTT atualizou a nota, informando que "promoverá os ajutes necessários" no preço dos fretes (veja as duas versões da nota mais abaixo).

Segundo a agência, a mudança será feita porque houve aumento superior a 10% no preço do óleo diesel.

A tabela de fretes foi instituída por uma medida provisória (MP) editadapelo presidente Michel Temer para atender a parte das reivindicações dos caminhoneiros durante a greve da categoria.

Pelo texto da MP, cabe à Agência Nacional de Transportes Terrestres definir os preços, mas os valores têm gerado polêmica.

primeira tabela, publicada em 30 de maio, foi criticada pelas transportadoras e até pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

Em 7 de junho, diante da polêmica, a ANTT editou uma segunda tabela, mas os caminhoneiros reclamaram dos preços, e a agência revogou, voltando a praticar os preços da primeira tabela.

 

Audiência pública discute política de preços no transporte de cargas

Jornal GloboNews edição das 18h

 

 

 

Audiência pública discute política de preços no transporte de cargas

 

Supremo Tribunal Federal

 

Na última segunda (27), o Supremo Tribunal Federal (STF) fez uma audiência pública com representantes do governo, de produtores e empresários e de caminhoneiros.

A criação da tabela dos fretes é analisada pelo tribunal porque entidades entraram com ações argumentando que a medida de Temer fere a livre iniciativa de mercado, além de ser uma interferência indevida do Estado na atividade econômica e na iniciativa privada.

 

Após a audiência pública, o ministro relator do caso, Luiz Fux, afirmou quelevará a julgamento "o mais breve possível" as ações que questionam a MP.

"Agora temos informações suficientes. Vou submeter os processos em conjunto, vamos julgar de forma definitiva o mais breve possível a questão. Vou levar a plenário o mais breve possível", afirmou o ministro na ocasião.

 

Notas

 

Leia abaixo a íntegra da primeira nota da ANTT:

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informa que, em cumprimento ao disposto no §3°, do artigo 5°, da Lei 13.703/2018, publicará uma nova versão da tabela de frete devido à oscilação superior a 10% no preço do óleo diesel em relação ao considerado na planilha de cálculos utilizada na Resolução n° 5820/2018.

Leia abaixo a íntegra da nota atualizada da ANTT:

A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) informa que, devido à variação do preço do óleo diesel, promoverá os ajustes necessários na Resolução n° 5820/2018, em cumprimento ao disposto na Lei 13.703/2018.

 

FONTE: https://g1.globo.com/economia/noticia/2018/09/01/antt-informa-que-publicara-nova-tabela-com-precos-dos-fretes.ghtml

O registro e o licenciamento de veículos automotores terão também uma versão digital. O documento está disponivel para ser baixado desde esta segunda-feira (27), por meio do aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CNH Digital), já disponível tanto para o sistema Android como para o IOS.
A primeira unidade federativa a fazer uso deste documento é o Distrito Federal. “Não há ainda um prazo definido para que os demais estados aderirem porque a adesão é voluntária e depende dos órgãos de trânsito”, disse o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, durante a cerimônia de lançamento do aplicativo para a capital federal.
O aplicativo reunirá, na mesma plataforma, CNH, seguro obrigatório e Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). Segundo o ministro, a ideia do aplicativo é facilitar a vida do cidadão e diminuir as filas dos departamentos de trânsito.
Prazos.
Apesar de não haver, até o momento, um prazo definido para que os departamentos de trânsito das demais unidades federativas passem a adotar a versão eletrônica do documento, a expectativa do diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Maurício Alves, é de que até o final do ano todos estados já estejam operando com o aplicativo.
Download.
Para ter o documento em seu celular, é necessário que o proprietário do veículo esteja em dia com o licenciamento. Quem já tem a CNH Digital não precisa fazer o download da Carteira Digital de Trânsito, basta apenas atualizar o aplicativo da CNH Digital. Em seguida, basta adicionar o CRLV Digital e informar o número do Renavam e o código de segurança impresso no Certificado de Registro de Veículo (CRV), que é o antigo DUT.

Fonte: Jornal O Popular,
SINDEGO
SINDICATO DOS DESPACHANTES DO ESTADO DE GOIÁS

A imagem pode conter: texto

Possui CNPJ? Então você pode comprar carro 0 km com desconto

Se você é um empreendedor, é possível conseguir bons descontos comprando um veículo pelo Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) da empresa. A venda direta, como é chamada, é feita em contato com a montadora sem a mediação da concessionária e, por esse motivo, o automóvel pode ser adquirido por um valor mais em conta.

Os descontos oferecidos podem chegar a 30% no valor de tabela dos automóveis, dependendo da categoria (passeio, utilitário, pickup, etc.), e também pode variar o tempo de espera de recebimento – de uma semana até três meses, já que carros recém-lançados demoram mais a chegar, pois dependem da estabilização de oferta e procura do mercado.

Não existe uma tabela padrão com os descontos, cada montadora estipula qual o percentual de dedução. O contador e diretor da Rui Cadete, Daniel Carvalho, explica que o comprador precisa fazer um cadastro prévio na marca de interesse com as informações sobre a empresa, como CNPJ, Inscrição Estadual, entre outras e após a aprovação da montadora, a pessoa espera na fila de produção.

O comprador deve permanecer com o automóvel em nome da empresa pelo período mínimo de 180 dias, após esse tempo é possível transferir para qualquer pessoa física. Contudo, é importante observar os impostos envolvidos na negociação. O carro passa a ser um patrimônio da empresa, caso seja vendido, o dinheiro precisa voltar para a conta da empresa, do contrário o empresário pode ter problemas na declaração do imposto de renda.

O especialista também esclarece que qualquer pessoa jurídica pode fazer a transação, inclusive o Micro Empreendedor Individual“O MEI precisa apenas observar que as compras não podem ultrapassar 80% da receita da empresa”, detalha.

Daniel Carvalho alerta ainda que o consumidor deve ficar atento se o desconto aplicado vale a pena. “É importante avaliar se o abatimento vale a pena quando observada a tributação na hora da venda. Um veículo comprado pela pessoa física provavelmente não tem tributação na hora do repasse, já o comprado pela pessoa jurídica tem grande possibilidade de ser tributado”, explica.



Cópia autorizada mediante citação com link: https://oportaln10.com.br/possui-cnpj-entao-voce-pode-comprar-carro-0-km-com-desconto-77738/#ixzz5PfFZgCek 

 

Projeto determina envio de comunicação aos condutores sobre expiração da CNH

 

O condutor poderá ser comunicado via correspondência postal sobre a expiração da validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com antecedência de pelo menos trinta dias. É o que prevê o Projeto de Lei do Senado (PLS) 459/2015, de autoria da senadora Marta Suplicy (MDB-SP), em tramitação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ)

Para a senadora, diante da enorme quantidade de informação a que os cidadãos estão submetidos no mundo moderno, não é incomum que tarefas relevantes, como a necessidade de renovação da CNH, acabem sendo esquecidas pelos condutores.

“Nossa proposta exige a correspondência por meio postal, uma vez que as correspondências eletrônicas, infelizmente, estão sujeitas a falsificações e a golpes diversos, e, também, devido à ampla prática de spam, elas poderiam não obter o efeito desejado de alerta”, justificou Marta.

O projeto, que está sob relatoria do senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), inclui a determinação no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503, de 1997). De acordo com a legislação, as carteiras de habilitação têm validade de cinco anos para motoristas com até 65 anos – acima desta idade, vale três anos – e o condutor que estiver dirigindo com a CNH vencida há mais de 30 dias estará cometendo infração gravíssima, passiva de multa (R$ 293,47) e retenção do veículo até a apresentação de um condutor habilitado.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

 

Fonte: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2018/08/20/projeto-determina-envio-de-comunicacao-aos-condutores-sobre-expiracao-da-cnh

 

Se você considera injusta a multa ou penalidade que lhe foi imposta pelo cometimento de infração de trânsito, Conte com a gente para resolver!

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e texto

 

Motoristas do DF terão documento digital do carro (CRLV) já na segunda (27)

 

O governo vai lançar na próxima semana o CRLV digital. Este documento é o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo, o qual comprova quem é o dono do carro. A programação é que esta possibilidade seja lançada a segunda-feira (27), junto do app da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) tanto para Android quanto iOS.

Esta pode ser uma solução importante para este tipo de documentação. A lei obriga que o CRLV esteja sempre com o motorista enquanto ele esteja em posse do veículo. Entretanto, nem todo mundo gosta de deixar o documento no carro, pois, em caso de roubo, é o CRLV que ajuda a identificar o dono do automóvel.

Assim, é comum que, em ambientes nos quais o carro é compartilhado ou no caso de empréstimo, se esqueça de pegar o documento. Com o CRLV, contudo, não há este problema, pois, mesmo em caso de furto ou roubo do veículo, ainda é possível acessar o documento de forma digital.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

 

Em um primeiro momento, apenas o Departamento de Trânsito do Distrito Federal poderá utilizar esta tecnologia. Entretanto, a proposta é que o documento esteja disponível para os outros estados até o final do ano. Junto com o CRLV, o projeto é de que o motorista possa portar outros documentos obrigatórios também apenas pelo celular, como seguro obrigatório (DPVAT) e CNH.

 

Fonte: https://canaltech.com.br/governo/motoristas-do-df-terao-documento-digital-do-carro-crlv-ja-na-segunda-27-121104/

 

 

O artigo 98 do Código de Trânsito Brasileiro estabelece que:
"Nenhum proprietário ou responsável poderá, sem prévia autorização da autoridade competente, fazer ou ordenar que sejam feitas no veículo modificações de suas características de fábrica".
O veículo que possuir alterações de características realizadas sem a Autorização Prévia estará automaticamente irregular perante as Leis de Trânsito, uma vez que toda Alteração de Característica Veicular deverá ser cadastrada junto ao DETRAN antes e após a sua realização. Para isso, conte com os nossos serviços, resolvemos pra você!
Fonte:http://www.detran.pr.gov.br/modules/…/servicos-detalhes.php…

A imagem pode conter: carro, texto e atividades ao ar livre

 

(5 pontos, R$ 195,23)
Quem precisa de mais espaço e vai recorrer ao bagageiro tem de estar atento a algumas regras. A primeira é que as cargas não podem ultrapassar a largura do teto e o comprimento do veículo. A segunda é que a altura máxima da carga, a não ser no caso de bicicletas, não pode passar de 50 cm.
Fonte: https://quatrorodas.abril.com.br/…/cinco-tipos-de-multa-qu…/

A imagem pode conter: carro e atividades ao ar livre

O que significam as luzes do painel do carro?

 

Antigamente, bastavam apenas quatro luzes indicadoras para que o proprietário de um Volkswagen Fuscaestivesse razoavelmente informado sobre o que se passava em seu carro. Não era preciso saber muito para interpreta-las. E hoje em dia, o que significam as luzes do painel do carro?

Atualmente, a quantidade de informação passada ao condutor através do quadro de instrumentos é enorme, apesar de que muitos dados sejam agora transferidos ao conhecimento do motorista através de mensagens escritas, facilitando assim sua compreensão, isso sem contar recomendações para economizar combustível e segurança.

A quantidade de luzes-espia que existem é grande e neste artigo vamos falar de quase todas elas, mesmo porque algumas mais recentes foram criadas para especificidades exclusivas de alguns carros mais tecnológicos, como os carros elétricos e híbridos, por exemplo.

Porém, obviamente a maioria dos carros não terá todas elas, mesmo porque, algumas luzes-espia são referentes a dispositivos muito sofisticados, como amortecedores eletrônicos ou suspensão pneumática, por exemplo. É claro que tais itens só serão encontrados em carros de luxo, mas para quem tem, será de boa informação o assunto.

VEJA TAMBÉM:

O que significam as luzes do painel do carro?

Cores

Mas, antes de conhecermos várias funcionalidades de cada uma das luzes do painel do carro, precisamos entender por que elas possuem cores diferentes. Em geral são três grupos de cores para indicar os níveis de importância das informações, mas podem ser usadas até seis cores no total. Algumas são apenas informativas, outros destacam problemas pontuais e algumas emergenciais.

Azuis, brancas ou verdes

Essas luzes indicam que um equipamento ou acessório está ligado, sendo assim mais informativas.

Amarelas ou laranjas

Estas apresentam um nível moderado de defeito. A falha indicada geralmente não impede o veículo de continuar rodando. Mas, ainda assim, é preciso parar em local seguro ou numa oficina para verificar o motivo do problema, que pode se agravar com o tempo.

Vermelhas

Se durante a condução, alguma luz vermelha se acender, é problema e grave! Trata-se de um defeito emergencial que irá imobilizar o veículo se não for corrigido imediatamente. Por isso, o recomendável é parar o veículo e pedir auxílio. Em caso de insistência ao conduzir, a falha para desligar o veículo em movimento e/ou gerar um acidente.

O que significam as luzes do painel do carro?

Luzes do painel do carro

A imagem acima, por exemplo, possui 64 luzes do painel do carro, sendo que as principais deixamos em negrito:

  1. Luz de neblina acesa – Farol auxiliar que ajuda em caso de pouca visibilidade sob chuva, neblina ou cerração
  2. Alerta de mau funcionamento ou desativação da direção elétrica
  3. Luz de neblina traseira – Farolete auxiliar para ampliar a visibilidade do veículo sob chuva, neblina ou cerração
  4. Baixo nível de água no limpador de para-brisa
  5. Aviso de desgaste de pastilhas de freio – recomendando a troca
  6. Controle de cruzeiro ativado
  7. Luzes de direção
  8. Sensor de chuva e/ou crepuscular ligados
  9. Modo Inverno – geralmente associado com a transmissão automática, reduzindo o torque nas rodas para evitar patinação
  10. Indicador de informação
  11. Plugue do pré-aquecimento da vela incandescente em motores diesel
  12. Aviso de congelamento
  13. Aviso de interruptor de ignição
  14. Chave presencial fora do veículo
  15. Chave presencial com bateria fraca
  16. Luz de alerta
  17. Pressione o pedal de embreagem (alguns carros manuais apresentam este aviso)
  18. Pressione o pedal de freio (carros automáticos e automatizados apresentam este aviso)
  19. Aviso de bloqueio da direção
  20. Farol com facho alto ligado
  21. Baixa pressão dos pneus (agora comum em muitos carros brasileiros)
  22. Lanternas ligadas
  23. Falha nas luzes exteriores do veículo
  24. Alerta de falha em luzes de freio
  25. Alerta de filtro de partículas em carros diesel
  26. Alerta de engate do reboque
  27. Alerta de falha na suspensão pneumática
  28. Alerta de manutenção de faixa – apenas alguns carros mais modernos possuem essa tecnologia
  29. Alerta de mau funcionamento do catalisador
  30. Alerta de cinto de segurança desatado – hoje está presente em praticamente todos os carros
  31. Freio de estacionamento acionado
  32. Alerta de baixo nível de carga ou defeito na bateria e/ou alternador
  33. Sensor de estacionamento ativo
  34. Aviso de serviço de manutenção – geralmente ativa quando a programação de revisão se aproxima
  35. Farol com facho adaptativo – Também conhecido como HID, ajusta os fachos alto e baixo de acordo com o trânsito
  36. Controle de ajuste de facho do farol – trata-se da regulagem de altura elétrica ou adaptativa
  37. Alerta de aerofólio móvel ativado
  38. Alerta de capota móvel acionada com o carro em movimento
  39. Alerta do airbag – Ao dar a partida é normal, mas durante o funcionamento do carro, indica problemas
  40. Alerta de freio de estacionamento manual acionado
  41. Presença de água no filtro de combustível
  42. Airbag desativado – Próprio para quando se desliga do dispositivo ao colocar cadeira infantil no banco do passageiro
  43. Falha mecânica
  44. Farol em faixo baixo
  45. Filtro de ar sujo
  46. Modo de economia ativado
  47. Controle eletrônico de descida – geralmente atribuído a picapes e utilitários esportivos mais completos
  48. Alerta de temperatura da água
  49. Alerta de mau funcionamento do ABS
  50. Aviso de filtro de combustível
  51. Alerta de portas abertas
  52. Alerta de capô aberto
  53. Baixo nível de combustível (reserva)
  54. Aviso de problemas com câmbio automático
  55. Limitador de velocidade
  56. Alerta dos amortecedores da suspensão
  57. Alerta de baixa pressão do óleo
  58. Desembaçador do para-brisa
  59. Alerta de tampa do porta-malas aberta
  60. Controle de estabilidade desligado
  61. Sensor de chuva ativado
  62. Aviso de problemas com motor e/ou injeção eletrônica
  63. Desembaçador do vidro traseiro
  64. Limpador do para-brisa em modo automático

O que significam as luzes do painel do carro?

4×4

Existem ainda luzes específicas para veículos 4×4, por exemplo. Na foto acima é possível ver duas delas (ambas verdes), sendo uma delas na forma do sistema de tração nas quatro rodas, indicando que o mesmo está em funcionamento, assim como o indicativo “4L” que significa a redução ativada.

Outras

Existem também luzes do painel do carro para indicar as posições de marcha, geralmente em carros automáticos, sendo elas representadas por letras e números, as mesmas vistas no câmbio.

Em carros elétricos e híbridos, por exemplo, as letras PWR, CHG e EV significam modo de performance ou potência máxima, carga (recarregamento da bateria em desaceleração ou declive) e modo elétrico puro, sem uso do combustível (híbridos).

Para quem ainda se atrapalha com as luzes indicadoras, a Volkswagen, por exemplo, introduziu no Virtus um manutenção baseado em inteligência artificial para identificar através de imagens da instrumentação, o que determinada luz está indicando.

Fonte: https://www.noticiasautomotivas.com.br/o-que-significam-as-luzes-do-painel-do-carro/

Placas padrão Mercosul: mais caras no Brasil que em outros países.

'Padrão' do país é diferente dos demais integrantes do Mercosul; brasões da Cidade e do Estado fazem com que a chapa precise ser trocada e aumenta custos.

 

Em breve, o padrão das placas dos veículos do Brasil será substituído. A decisão foi tomada com base em um acordo realizado entre os países integrantes do Mercado Comum do Sul (Mercosul), em 2014. A ideia é padronizar as identificações e, segundo as autoridades, facilitar o processo de substituição de chapa ou primeiro emplacamento. A questão é: as placas padrão Mercosul vão mesmo facilitar a vida do motorista brasileiro?

Bem, parece que não. A primeira data estipulada para que o novo padrão começasse a valer por aqui era janeiro de 2016. Desde então, a substituição para as chapas unificadas foi postergada diversas vezes. É que o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) tem encontrado dificuldade para determinar o processo de fornecimento das placas, que têm custo elevado.

Além do preço mais alto, outra questão assombra as placas padrão Mercosul. Ao contrário da Argentina e do Uruguai, que já adotam as novas chapas conforme os parâmetros estabelecidos durante o acordo, o Denatran resolveu adicionar detalhes às chapas brasileiras. E fica a reflexão: qual o sentido de adotar um padrão para descumpri-lo?

Para além dos códigos de barra bidimensionais (conhecidos popularmente como QR Code), que dão acesso à informações do banco de dados, o modelo brasileiro apresenta o brasão do Estado e da Cidade em que o veículo está registrado. O que isso muda para quem tem um carro?

Todas as vezes em que o motorista mudar de cidade, além de fazer um novo registro do veículo no Departamento de Trânsito (Detran), precisará de trocar a placa. Atualmente, existe a possibilidade de pagar a taxa de alteração no Detran e substituir apenas a tarjeta com o nome da cidade, que custa menos do que o valor total da placa.

A reportagem consultou um dos despachantes mais baratos de Belo Horizonte, de acordo com o levantamento da empresa de análise de preços Mercado Mineiro, e conferiu os valores (que mudam de acordo com a região do Brasil). Uma placa nova custa, em média, na capital mineira, R$ 90,00. A tarjeta, por sua vez, pode ser comprada por R$ 60,00.

Quanto custará a nova placa, que possui mais tecnologia?

Questionada sobre valores, a assessoria de comunicação do Denatran informou que ainda não consegue estipular preços, mas confirmou que o proprietário terá mesmo que trocar a chapa inteira quando mudar de cidade, como estipula a Resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) nº729/2018.

§3º A Placa de Identificação Veicular no padrão MERCOSUL deverá ser implementada pelos Órgãos ou Entidades Executivos de Trânsito dos Estados e do Distrito Federal até 1º de setembro de 2018, para os veículos a serem registrados, em processo de transferência de município ou de propriedade, ou quando houver a necessidade de substituição das placas.

- Publicidade -

 

A redação perguntou, ainda, qual a explicação para adicionar os brasões às placas padrão Mercosul, visto que a justificativa inicial para alterar as chapas brasileiras era desburocratizar os processos e utilizar o mesmo modelo dos outros países, que não adotam tal medida. O Contran informou que “a placa atual já traz o município através da tarja com o nome da cidade e UF. Desta forma, a legislação apenas manteve o padrão e a fixação do brasão, que não significa aumento de custos e será colocada através do Hot Stamp (película que é obrigatória para dar cor à placa)”.

O Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) se colocou contrário à adoção dos brasões e levou a questão para o Tribunal de Contas da União (TCU), que pediu uma posição do Denatran.

Em resposta à solicitação de mais esclarecimentos, o TCU enviou a seguinte nota:

O assunto está sendo tratado no TC 010.228/2018-7 – Sistema de placas de identificação de veículos no padrão disposto pelo Mercosul. Credenciamento. Resolução CONTRAN 729/218.
No momento, as informações disponíveis são somente as que constam no espelho do processo, não sendo possível prestar informações mais detalhadas. Quando a unidade técnica concluir sua análise, o parecer é enviado ao relator que se manifestará e levará proposta ao plenário do TCU para deliberação. Após a discussão pelo plenário, o relatório se torna público.

Brasões nas placas padrão Mercosul, por quê?

A adoção dos brasões, de acordo com os órgãos responsáveis, serve para manter a arrecadação de impostos, como o Imposto sobre a Propriedade de Veículo Automotor (IPVA). A argumentação, no entanto, se mostra falha, já que a responsabilidade pela propriedade do veículo se dá pela documentação de posse do proprietário, a qual, por determinação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), deve ocorrer junto ao órgão executivo de trânsito do Estado, no Município de domicílio ou residência de seu proprietário (Artigo 120).

O Denatran alega, também, que os Estados e Municípios têm paixão pelo fato das placas dos veículos, ao transitar, carregarem o seus nomes para outras localidades. Argumento que não se sustenta de forma prática ou técnica, uma vez que com a utilização das placas padrão Mercosul – que são equipadas com um chip – qualquer leitor pode obter as informações em relação ao veículo.

Fonte: https://autopapo.com.br/noticia/placas-padrao-mercosul-mais-custo/

OS 20 CARROS QUE MAIS CONSOMEM COMBUSTÍVEL NO BRASIL

 

Na cidade

1º) Toyota Hilux 2.7, câmbio manual de 5 marchas e tração 4x2 (4,6 km/l) *Etanol
2º) Toyota SW4 2.7 M5 4X2 (4,6 km/l) *Flex
3º) Land Rover Range Rover 5.0 A8 4x4 (4,6 km/l) *Gasolina
4º) Ford Ranger CD (Limited) 2.5 M5 4x2 (4,7 km/l) *Flex
5º) Ferrari F12 Berlinetta 6.3 DCT 7 (4,7 km/l) *Gasolina
6º) Mercedes-Benz AMG G 63 5.5 A7 (4,8 km/l) *Gasolina
7º) Ford Ranger CD ou CS 2.5 M5 4x2 (4,8 km/l) *Flex
8º) Toyota Hilux CD 2.7 A6 4x4 e 4x2 (4,8 km/l) *Etanol
9º) Ferrari GTC4 Lusso 6.3 DCT 7 (4,8 km/l) *Gasolina
10º) Land Rover Range Rover 5.0 V8 A8 4x4 (4,9 km/l) *Gasolina
11º) Toyota SW4 2.7 A6 4X2 (4,9 km/l) *Flex
12º) Ferrari F12 TDF 6.3 DCT 7 (4,9 km/l) *Gasolina
13º) Hyundai Tucson 2.0 A4 4x2 (5,0 km/l) *Flex
14º) Land Rover Range Rover (Sport) 5.0 A8 4x4 (5,0 km/l) *Gasolina
15º) Land Rover Range Rover (Sport) 3.0 A8 4x4 (5,0 km/l) *Gasolina
16º) Chevrolet S10 CD 2.5 A6 4x4 (5,0 km/l) *Flex
17º) Maserati Quattroporte 4.0 A8 (5,0 km/l) *Gasolina
18º) Mercedes-Benz AMG GLS 63 5.5 A7 (5,1 km/l) *Gasolina
19º) Chevrolet S10 High Country CD 2.5 A6 4x4 (5,1 km/l) *Flex
20º) Porsche Cayenne Turbo S 4.8 A8 (Flex), Audi R8 5.2 DCT 7 (Gasolina) e Maserati Gran Turismo S 4.7 A6 (Gasolina) – 
5,2 km/l

Na estrada

1º) Mitsubishi L200 Triton 2.4 M5 (5,3 km/l) *Flex
2º) Mercedes-Benz AMG G 63 5.5 A7 
(5,5 km/l) *Gasolina
3º) Toyota SW4 2.7 M5 4x2 
(5,6 km/l) *Flex
4º) Ford Ranger CD 2.5 M5 4x2 
(5,6 km/l) *Flex
5º) Toyota Hilux CD 2.7 A6 4X4 e 4x2
 (5,6 km/l) *Flex
6º) Toyota Hilux CS 2.7 M5 4X2 (5,6 km/l) *Flex
7º) Ford Ranger CS 2.5 M5 4x2
 (5,7 km/l) *Flex
8º) Hyundai Tucson 2.0 A4 4x2 
(5,8 km/l) *Flex
9º) Ferrari F12 TDF 6.3 DCT 7 
(5,8 km/l) *Gasolina
10º) Toyota SW4 2.7 A6 4X2
 (5,9 km/l) *Flex
11º) Chevrolet S10 CS 2.5 M6 4x2 
(6,0 km/l) *Flex
12º) Chevrolet S10 CD 2.5 M6 4x4 
(6,1 km/l) *Flex
13º) Chevrolet S10 CD 2.5 A6 4x4 
(6,2 km/l) *Flex
14º) Chevrolet S10 CD 2.5 M6 4x2 
(6,4 km/l) *Flex
15º) Chevrolet S10 CD 2.5 A6 4x2 
(6,4 km/l) *Flex
16º) Ferrari F12 Berlinetta 6.3 DCT 7 
(6,5 km/l) *Gasolina
17º) Fiat Dobló 1.8 M5 4x4 
(6,7 km/l) *Flex
18º) Mitsubishi Pajero 3.8 A5 4x2 
(6,7 km/l) *Gasolina
19º) Mercedes-Benz AMG GLE 63 5.5 A7
 (6,8 km/l) *Gasolina
20º) Jeep Wrangler 3.6 A5 4x4 
(6,8 km/l) *Gasolina

Fonte: https://revistaautoesporte.globo.com/Noticias/noticia/2018/06/20-carros-mais-consomem-combustivel-brasil.html

Lei do farol aceso

 

Andar em rodovias sem os faróis acesos é multa. A obrigatoriedade de se transitar em vias de alta velocidade e estradas foi instituída há mais de dois anos e já rendeu milhares de autuações em condutores que ainda se esquecem de ligar os faróis quando entram nas pistas de trânsito rodoviário. Infelizmente, não é raro ver ainda veículos que trafegam por estas vias sem o farol aceso.

No começo, porém, a lei do farol aceso criou polêmica não só em relação ao tipo de luz permitida como baixa, mas também em relação ao que é rodovia, visto que muitos trechos ficam em zonas urbanas, confundindo os motoristas. É certo que, o conjunto ótico ligado durante o dia, amplia a visibilidade do veículo em relação aos pedestres, ciclistas e outros veículos.

Desde 1998, o Contran já recomendava o uso do farol aceso em rodovias na Resolução 18, onde se estimulava campanhas educativas para que os motoristas trafegassem com as luzes acesas mesmo de dia. Com o passar do tempo, vários especialistas e entidades defendiam o uso do farol baixo de dia, mesmo na cidade.

Um estudo indicou que o farol aceso aumenta em 60% a visibilidade do veículo durante o dia e recomenda-se que mesmo em dias ensolarados, se utilize o farol no facho baixo, mesmo na cidade. Porém, o uso do mesmo era facultativo e nem todo mundo era adepto de fazer isso, principalmente na estrada, exceto em caso de chuva ou neblina, algo mandatório não só por recomendação de placas de sinalização.

 

Fonte: https://www.noticiasautomotivas.com.br/lei-do-farol-aceso/

Comissão aprova proposta para sustar resolução que exige divulgação de nomes de agentes de trânsito

 

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara aprovou proposta que pretende suspender resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que torna obrigatória a publicação na internet dos nomes e dos códigos dos agentes e autoridades de trânsito. A medida consta do Projeto de Decreto Legislativo (PDC) 825/17, do deputado Cabo Sabino (Avante-CE).

O relator, deputado Mauro Lopes (MDB-MG), defendeu a aprovação do texto. Segundo ele, a resolução é desnecessária, na medida em que a Lei de Acesso à Informação (12.527/11) já assegura a todo e qualquer cidadão o acesso a dados de interesse individual ou coletivo.

“O condutor que desejar ter acesso a dados do agente de trânsito responsável pela autuação da infração poderá solicitá-los ao respectivo órgão de trânsito, porém, será devidamente identificado e responderá pelo uso que fizer das informações obtidas – o que nos parece mais razoável do que simplesmente divulgar esses dados na internet”, disse Mauro Lopes.

O autor da proposta afirma que a intenção de publicidade é boa, mas ele se preocupa com a possibilidade de malfeitores usarem esses dados. “Recentemente, os criminosos têm se valido de informações colhidas junto aos sítios eletrônicos de órgãos públicos para identificar servidor público da área de segurança, sujeitando-os a sério risco de morte”, afirmou Cabo Sabino.

Tramitação

A proposta agora será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Em seguida será votada pelo Plenário da Câmara.

As informações são da Agência Câmara

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/agente-de-transito/comissao-aprova-proposta-para-sustar-resolucao-que-exige-divulgacao-de-nomes-de-agentes-de-transito/

Pessoas de baixa renda terão desconto de 20% na emissão de CNH em Goiás

 

Foi aprovado nesta terça-feira (14/8), em segunda e última votação, o projeto de lei que estabelece desconto de 20% na emissão da primeira Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para pessoas de baixa renda.

A matéria, de iniciativa do deputado Simeyzon Silveira (PSD), segue agora para sanção ou veto do governador.

De acordo com o texto, para que o desconto seja concedido, o beneficário deverá ter renda máxima de três salários mínimos por mês além de apresentar os documentos exigidos pela legislação de trânsito.

“O primeiro foco dessa medida é a geração de emprego e renda. Nós discutimos essa matéria com a Acieg Jovem quando discutíamos a questão da inserção do jovem no mercado de trabalho. E um dos grandes limitadores dessa inserção hoje é a falta da CNH”, afirmou o autor da porposta, Simeyzon.

Fonte: https://www.jornalopcao.com.br/ultimas-noticias/pessoas-de-baixa-renda-terao-desconto-de-20-na-emissao-de-cnh-em-goias-133236/

 

 

Temer estuda editar medida para facilitar renovação da CNH

A Ideia é que o condutor mantenha o mesmo documento até completar 55 anos, com atualizações esporádicas apenas dos exames médicos.

O presidente Michel Temer estuda editar uma medida antes da eleição para facilitar a renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A ideia é possibilitar que o condutor mantenha o mesmo documento até completar 55 anos, com atualizações esporádicas apenas dos exames médicos. O texto está em análise no Ministério das Cidades, que está elaborando um estudo sobre o tema por meio do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), e ainda não chegou formalmente ao Palácio do Planalto.

Ao Broadcast Político, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, disse que deseja encaminhar o texto ao Planalto o quanto antes. "O meu desejo é para ontem", afirmou. Ele contou que o presidente Temer determinou que ele buscasse medidas para "simplificar e facilitar a vida dos brasileiros", mas "sem colocar em risco a vida dos usuários e das pessoas".

De acordo com a assessoria de imprensa do Ministério das Cidades, os estudos sugerem que a CNH seria emitida pela primeira vez a partir dos 18 anos com todos os procedimentos atuais mantidos. Somente os exames médicos, que já são obrigatórios, teriam de ser atualizados a cada cinco anos, sem necessidade de troca do documento e ida a qualquer órgão governamental.

Depois dos 55 anos, a periodicidade dos exames cairia para dois anos e meio e também seria preciso renovar o documento. Após os 70 anos, os exames e a renovação seriam feitos anualmente. Os exames, nestes casos, poderiam ser feitos em uma rede médica credenciada pelo Denatran em cada cidade do País.

O objetivo da medida, segundo o Ministério das Cidades, é "simplificar a vida dos usuários do trânsito brasileiro adotando medidas que mantém a segurança de motoristas e pedestres". Ainda de acordo com a pasta, o procedimento é adotado em "dezenas de países em todo o mundo".

Em março, o governo voltou atrás sobre uma norma que endurecia as regras para a renovação da CNH. Pelo texto, que acabou revogado, os motoristas precisariam fazer um curso teórico e uma prova, além do exame médico. A resolução também previa que o motorista deveria fazer duas balizas para tirar a primeira CNH e estabelecia que a carteira para motociclistas passaria a exigir exames nas ruas.

Fonte: Terra

 

Fake News: aumento de valores de multas é boato

 

Uma mensagem que circula nas redes sociais faz um alerta para novos valores de multas e frisa que os aumentos estão “valendo a partir de hoje”. O texto é falso e não deve ser compartilhado. O último aumento real das penalidades aconteceu em novembro de 2016, através da Lei 13.281/16 que alterou o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Além de trazer valores errados para todos os casos de infrações, a mensagem também destaca multas para penalidades que não constam no CTB. Não há, por exemplo, previsão de infração para insultos entre motoristas. Também não há multa específica para quem fuma dirigindo, mas sim para quem dirige com apenas uma mão ao volante.

Esse boato já circulou várias vezes e de outras formas e é sempre finalizado com um “repassem para que ninguém seja pego desprevenido”, o que faz com que ele se perpetue.

O falso texto prega ainda que “as Blitz (sic) vão fazer a festa”. Por exemplo, um carro em estado ruim poderia levar uma multa de R$1.340,89 (mais a apreensão do veículo). Outra multa que teria aumento seria a de dirigir falando ao celular, que passaria para R$ 1.574,00. O valor estipulado, atualmente, pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para quem é flagrado manuseando o celular é de R$ 293,47. Outra informação é uma multa de R$ 3.200,00 para quem não renovar a CNH no prazo de 30 dias, essa regra não existe.

Além dos valores serem totalmente incorretos, o texto cita uma Resolução que nada tem a ver com aumento de multa, não é do ano citado na mensagem e já foi alterada por uma Deliberação. A Resolução 333 na verdade é do ano de 2009, e não 2016, e trata de especificações para os extintores de incêndio em veículos automotores.

O Portal do Trânsito destaca que o jornalismo deve ser baseado em ética e compromisso com a verdade, mas o que estamos presenciando nas redes sociais é uma vergonha para aqueles que trabalham com a verdade acima de tudo.

Sempre que receber esse tipo de mensagem é necessário verificar a informação em sites confiáveis, como é o caso do Portal do Trânsito. E só compartilhar informações quando se tem certeza da veracidade dos fatos.

Fonte: Portal do Trânsito

 

 

Correio técnico: por que a gasolina e o etanol não são puros?

É uma saída para baixar o preço do combustível e a sua produção naturalmente já resulta em um volume de até 5% de água

Por que a gasolina brasileira tem etanol anidro e o etanol vendido nos postos é misturado com água? Os carros teriam um rendimento melhor se usassem etanol anidro? 

O principal motivo para a gasolina ter etanol e o etanol, água, é um só: custo.

“Adicionar etanol à gasolina é uma saída para baixar o preço do combustível e substituir o chumbo tetraetila como agente para aumentar a octanagem”, afirma Francisco Nigro, conselheiro da SAE Brasil.

Atualmente no Brasil a gasolina comum pode ter até 27% de etanol em sua composição. Nas gasolinas de alta performance (Petrobras Podium, Shell Racing e Ipiranga Octapro) esse índice cai para 25%.

Já o etanol combustível é hidratado porque seu processo de produção naturalmente resulta em um volume de até 5% de água.

Transformar esse combustível em etanol anidro (que tem menos de 0,3% de H₂O) exige um processo de refino extra, que torna o combustível mais caro.

“A razão técnica do etanol misturado à gasolina ser anidro é para impedir a separação da água no combustível (fenômeno possível em misturas de diferentes substâncias). Por ser mais puro, porém, o anidro deixaria o motor com rendimento melhor”, diz Nigro.

Dificuldade de homologação

 

Ainda que tenha um baixo percentual de água em sua composição, o etanol hidratado usado como combustível no Brasil é considerado puro e, por isso, é chamado de E100.

Isso, somado ao fato da nossa gasolina não ser pura (E27), acaba prejudicando a adaptação de veículos importados ao mercado nacional.

Em regiões como Estados Unidos e Europa a gasolina é pura, o que possibilita um rendimento melhor do motor, resultando em um menor consumo de combustível.

Nestes mesmos lugares também é possível encontrar etanol, mas lá o biocombustível possui 15% de gasolina misturado (E85).

Fonte: Quatro Rodas

 

 

Comissão aprova Programa Bicicleta Brasil para melhorar mobilidade urbana

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) aprovou nesta terça-feira (7) relatório favorável ao PLC 83/2017, já aprovado pela Câmara, que cria o Programa Bicicleta Brasil (PBB), de incentivo ao uso da bicicleta para melhoria das condições de mobilidade urbana. A proposta é do deputado Jaime Martins (PSD-MG) e agora segue para a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

O PBB visa promover a integração das bicicletas ao sistema de transporte público coletivo; apoiar estados e municípios na instalação de bicicletários públicos e na construção de ciclovias e ciclofaixas; e promover campanhas de divulgação dos benefícios do uso desse meio de transporte.

Conforme o projeto, o PBB vai integrar a Política Nacional da Mobilidade Urbana (Lei 12.587, de 2012), será financiado por 15% do total arrecadado com multas de trânsito e coordenado pelo Ministério das Cidades. As ações poderão ser financiadas também com recursos da Cide-Combustíveis, por meio de alteração na lei que fixa os critérios desse tributo (Lei 10.636, de 2002) e no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503, de 1997).

O relator, senador Rodrigues Palma (PR-MT), disse concordar com a criação de um programa de estímulo ao transporte sobre duas rodas principalmente “porque as tarifas de transporte público são inadequadas à capacidade econômica de parte expressiva da população”.

“A arrecadação com multas de trânsito é da ordem de R$ 9 bilhões anuais, o que significaria que, aprovada fração de 15% para a infraestrutura cicloviária, investiríamos nesse segmento da mobilidade urbana mais de R$ 1 bilhão anuais”, afirmou o senador.

FONTE: PORTAL DO TRÂNSITO

Aulas noturnas de direção serão facultativas em todo Brasil

As aulas noturnas passarão a ser facultativas num primeiro momento no Rio de Janeiro e essa decisão será estendida para o restante do País, no decorrer dos próximos dias. Essa foi a decisão tomada na semana passada, após reunião entre o diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Maurício Alves, o diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran/RJ), Leonardo Jacob e o Deputado Carlos Minc (presidente da comissão CUMPRA-SE!).

De acordo com os “Instrutores em Ação”, grupo independente liderado pelo instrutor Eduardo Reis, do Rio de Janeiro, entre os dias 6 e 10 de agosto, o presidente do Detran-RJ expedirá uma Portaria que facultará o período de aprendizagem dos CFCs até às 17h, sem prejuízo do registro das aulas noturnas em todo o estado.

Ainda conforme o grupo, o diretor do DENATRAN, a seu tempo, expedirá uma Deliberação pela qual as aulas noturnas tornar-se-ão facultativas em todo o país, até que o PL 2056/11 seja votado que, sendo aprovado, revogará em definitivo a obrigatoriedade das aulas veiculares noturnas em todo o território nacional.

Aulas noturnas obrigatórias

Em 17 de março de 2010 foi publicada a Lei 12.217 que alterava o Código de Trânsito Brasileiro para tornar obrigatória a aprendizagem noturna. O texto da Lei atribuiu ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran) a responsabilidade para definir a carga horária correspondente.  Em maio do mesmo ano, precisamente no dia 12, o Contran publicou a Res.347/10 definindo que 20% das aulas práticas de direção veicular fossem realizadas no período noturno.

A lei entrou em vigor em 17 de maio de 2010 (60 dias após a sua publicação) e desde lá esbarra numa questão grave de segurança pública, que, segundo depoimentos, torna cada dia mais difícil a tarefa de concluir as aulas noturnas num curso de primeira habilitação.

De acordo com o grupo de instrutores do Rio de Janeiro, que começou o movimento contra as aulas noturnas, no período das 18 às 22 horas, é justamente o horário onde o cidadão comum está mais vulnerável a assaltos e demais ocorrências de violência. “E neste particular, há dois aspectos a serem considerados: os treinos geralmente são realizados em vias secundárias, de pouco movimento e com iluminação insuficiente; e o aluno sempre está acompanhado de seu instrutor”, escreve Marcos Motta, que é instrutor de trânsito, no Manifesto do grupo denominado “Instrutores em Ação”.

Fonte: Portal do trânsito

 

Pesquisa comprova que um momento de distração no trânsito pode ser fatal

Pesquisadores da AAA Foundation Traffic Safety (Fundação para a Segurança no Trânsito), organização norte-americana, analisaram cerca de 1.700 vídeos de câmeras instaladas em carros conduzidos por motoristas jovens que se envolveram em algum tipo de acidente e concluíram que um ou dois segundos de distração pode resultar em acidente.

A cada 100 acidentes analisados, 58 foram provocados por pura distração, sendo grande parte delas por olhar o celular enquanto dirige. Estimativas anteriores apontavam que a distração era a causa para apenas 14% dos acidentes de motoristas jovens. Hoje já se sabe que o celular e amigos são dois fatores que representam quase 60% dos acidentes envolvendo motoristas jovens.

Ainda conforme o estudo, o uso do celular ao volante fez com que os motoristas tirassem os olhos da estrada em uma média de 4,1 segundos antes dos acidentes.

Nos Estados Unidos, os adolescentes têm a maior taxa de acidente entre todas as faixas etárias, e por isso, os especialistas em segurança têm buscado formas de melhor proteger e educar os jovens condutores.

Passageiros também interferem

Além do uso do smartphone, o estudo também aponta a distração dos motoristas enquanto estavam interagindo com os passageiros. Esta situação respondeu por 15% dos acidentes entre os motoristas analisados.

A fundação descobriu, através da pesquisa, que, quando dois ou mais passageiros estavam presentes, o risco de distração é ainda maior do que quando apenas um único passageiro estava presente.

 

Fonte: Portal do Transito

 

 

 

Pneus são itens de segurança e merecem atenção

 

Segurança viária é um assunto importante e permeia desde as condições das vias até as condições dos veículos que trafegam nelas. É por isso que realizar manutenção preventiva com regularidade em carros, motos e demais automotores é imprescindível. Entre os itens que precisam ser observados estão os pneus.

Ouvido pela Perkons, empresa que desenvolve e aplica tecnologia para a segurança no trânsito, o engenheiro mecânico e coordenador dos cursos de Engenharia Mecânica e de Engenharia de Materiais e Nanotecnologia da PUCPR, Luís César de Carli Turco, salientou que, além da segurança, os pneus também têm responsabilidade sobre o desempenho do veículo.

“São eles que transferem para o asfalto toda a potência do automóvel, seja de tração, seja de frenagem. Além disso, os esforços laterais que ocorrem quando o veículo está em uma curva também só existem devido ao contato dos pneus com a via. É a força de atrito que possibilita o movimento, redução de velocidade ou mudança de direção”, esclarece o professor.

Há diversos tipos de pneus disponíveis no mercado. Na hora de escolher um, o indicado é optar pelo que mais se adequa ao veículo. Porém, uma vez que o automóvel passa a circular, o desgaste é inevitável, e chegará o momento de trocá-los. “Nessa hora o importante é não alterar as propriedades originais, que são encontradas na lateral dos pneus originais e indicam as características técnicas daquele modelo”, explica Turco.

Mais segurança nas vias

Desde abril de 2018, todos os pneus novos do tipo radial para automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus passaram a ser vendidos com a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE), disponibilizada pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), do Inmetro.

Na prática, o consumidor passou a ter acesso mais fácil aos níveis de desempenho dos pneus, como segurança, eficiência e impacto ambiental. A Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (ANIP) afirma que a etiqueta pode facilitar a decisão de compra do cliente. “A etiquetagem tem o objetivo de passar ainda mais transparência ao consumidor e ajudá-lo a escolher o pneu mais adequado ao seu veículo e tipo de direção”, explica Klaus Curt Müller, presidente da ANIP. Além disso, o regulamento definiu limites mínimos de performance para três critérios – Ruído externo; Aderência ao piso molhado; e Resistência ao rolamento – que permitem apenas a entrada de produtos no mercado brasileiro que atendam esses limites, trazendo efetivos benefícios à saúde e segurança do usuário, bem como ao meio ambiente.

Medidas que podem prolongar a vida útil

O professor Carli Turco enfatiza que manter a manutenção dos pneus em dia ajuda a ampliar a vida útil deles. “Fazer um rodízio do jogo de pneus é recomendado a cada dez mil quilômetros. Lembrando que, a cada rodízio, é importante manter o sentido de giro do pneu. Fazendo isto, quando for necessária a troca, ela deverá ser feita em todo o jogo”, orienta.

Outro cuidado recomendado é guiar de maneira suave, com arrancadas e freadas progressivas. Atitude que aumenta o tempo de vida dos pneus e ajuda a reduzir o consumo de combustível.

O que diz o CTB

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não tem um artigo que fale exclusivamente sobre a situação dos pneus, mas o artigo 230, em seu inciso XVIII, deixa claro que é infração grave, com penalidade de multa e retenção do veículo, circular com automóveis em mau estado de conservação, comprometendo a segurança. Estar com os pneus carecas pode ser considerado mau estado de conservação.

“Os pneus são a ligação do veículo com o solo. Assim, um pneu desgastado perde seu poder de transferir os esforços. As rodas podem virar em falso (patinar), deslizar, aumentar muito o tempo de frenagem (mesmo em veículos com sistema ABS) ou impedir que o veículo consiga fazer curvas”, reforça o engenheiro mecânico.

Fonte: Portal Do Transito

 

Trânsito: Temer assina termo de consulta para adesão a acordos internacionais

presidente Michel Temer reforçou que espera reduzir à metade o número das mortes em acidentes de trânsito na próxima década. Em breve discurso durante cerimônia de comemoração dos 20 anos do Código de Trânsito Brasileiro, ele recomendou que a população deve "obedecer a lei e, em especial, o Código de Trânsito". 

Temer e o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, assinaram um termo de consulta que será enviado ao Congresso Nacional de adesão a acordos internacionais visando à redução da mortalidade no trânsito. No evento, também estava presente o piloto Felipe Massa, embaixador da FIA para Segurança Viária.

Desde 2011, o Brasil participa de iniciativas para atender às exigências da Década de Ação pela Segurança no Trânsito da ONU. O documento recomenda aos países-membros a elaboração de um plano diretor para guiar as ações nessa área no decênio. A meta é diminuir em 50% a acidentalidade no trânsito em âmbito mundial.

 

Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2018/07/31/interna_nacional,976974/transito-temer-assina-termo-de-consulta-para-adesao-a-acordos-interna.shtml

 

 

Confaz muda regra para venda de carros para PCD.

Neste mês, o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) divulgou algumas mudanças nas regras para a venda de carros PCD. A principal mudança é referente à venda de um veículo que foi comprado com as isenções para um comprador que não seja PCD. Antes, o prazo mínimo era de dois anos. Agora, ele passa a ser de quatro anos. 

Dessa forma, um consumidor que adquiriu seu veículo com as isenções só pode revender o carro após este prazo. Mesmo assim, de acordo com a nova regra, a venda só pode ser realizada se for autorizada pela Receita Federal.

Isenções carros PCD

Pessoas com deficiência contam isenção de alguns impostos, como IPI, ICMS, IPVA e IOF, na hora de comprar um veículo zero-quilômetro. Há também isenção de rodízio municipal. Porém, para ter direito aos benefícios, é necessário obter o laudo da Receita Federal assinado por dois médicos credenciados ao SUS.

 

FONTE: https://garagem360.com.br/confaz-regra-venda-carros-pcd/ 

 

A obrigatoriedade do exame toxicológico para motoristas com CNH categorias C, D e E

 

Um dos assuntos mais polêmicos dos últimos tempos, na área do trânsito brasileiro, é certamente a obrigatoriedade do exame toxicológico.

Exame toxicológico para motoristas com CNH categorias C, D e E

A obrigatoriedade na realização do exame toxicológico estende-se para motoristas habilitados e para quem deseja habilitar-se nas categorias C, D e E.

Um dos assuntos mais polêmicos dos últimos tempos, na área do trânsito brasileiro, é certamente a obrigatoriedade do exame toxicológico.

A determinação, que surgiu na resolução 425/12 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), e ganhou caráter legislativo com a Lei 13.103/15, tornou-se, desde o início de março de 2016, obrigatória para condutores com categoria C, D e E.

Em março deste ano o exame completou um ano em atividade. Mesmo assim, ainda divide opiniões e levanta muitas dúvidas entre os motoristas.

As principais razões para estas interrogações estão nos discursos em defesa dos direitos humanos, nos custos que envolvem a realização do exame, na possibilidade de falsos positivos e nos impactos reais desta operação para a redução de acidentes.

A fim de contribuir com esclarecimentos e observar o panorama deste mercado, um ano após a implantação da lei, reunimos alguns dados que desenham o atual cenário. Acompanhe:

O que motiva e mantém a obrigatoriedade na realização do Exame Toxicológico?

As estatísticas nacionais revelam que, os veículos pesados estão envolvidos em 51% dos acidentes fatais no Brasil. Um número bastante expressivo se levarmos em conta que eles são apenas 4% da frota nacional.

Se não bastasse o alto índice de acidentes, a realidade tem ainda outros agravantes, gerados pela combinação de drogas e direção e somadas a fadiga dos motoristas em jornadas excessivas de trabalho.

Foram os resultados destes dados que motivaram a obrigatoriedade da lei, com o intuito de reduzir o número de infrações e preservar a vida no trânsito.

Quando ele é obrigatório e para quem se destina?

O exame é obrigatório não apenas para quem é motorista profissional – aquele que exerce atividade remunerada com o veículo – mas para todos os motoristas habilitados ou que pretendem se habilitar nas categorias C, D ou E.

O motorista tem a obrigatoriedade de realizar o exame ao tirar, adicionar uma destas categorias mencionadas, ou renovar a CNH. Além disso, deve também realizar um novo exame na metade da validade da habilitação.

Fora estas questões, uma recente portaria do governo federal, regulamentou também o exame na admissão e na demissão de motoristas profissionais, tornando a lei obrigatória também nestes casos.

Quais os objetivos e como o exame toxicológico é realizado?

O exame visa detectar, dentre outros, o consumo de anfetaminas, maconha, cocaína, opiáceos e “ecstasy”.

O consumo de álcool ou nicotina não é levado em consideração neste caso, em virtude de serem consideradas drogas lícitas. Para o álcool existem exames específicos, realizados in loco.

O exame toxicológico é realizado por meio da análise dos fios de cabelo e detecta o consumo ou não de drogas, em até 90 dias antes da coleta.

No caso do exame dar positivo para o consumo das substâncias citadas, o motorista poderá constituir uma contra-prova, fazendo um novo exame. No caso de comprovado o uso de substância proibida, o condutor terá sua habilitação suspensa, ficando impossibilitado de dirigir.

Quem está habilitado a realizar os exames e onde realizá-lo?

O exame toxicológico é realizado em laboratórios credenciados pelo DENATRAN – Departamento Nacional de Trânsito, sendo estes os onde o condutor deve comparecer para realizar o exame.

No laboratório são coletados fios de cabelo ou pedaços de unha para a análise. O resultado do exame é apresentado sob a forma de um laudo detalhado, que posteriormente deve ser apresentado ao Médico Perito Examinador, também credenciado. Este profissional é o que realizará o exame de Aptidão Física e Mental, já tradicional.

O balanço das mudanças um ano após a implantação da lei

Opiniões contraditórias à parte, a realidade é que os motoristas estão tendo que se adaptar.

Um ano após a implantação, a lei continua vigente, e parece ter surtido efeito, dando sua contribuição para a diminuição no número de acidentes nas estradas e rodovias do país.

A queda nas rodovias federais, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal, foi de 26%. Mas, houve redução também nos acidentes que não envolvem caminhões, de 20%, casos onde o exame toxicológico não é obrigatório.

Tem-se ciência que o controle do uso de drogas não foi, certamente, o único fator da redução dos acidentes. A crise econômica e a maior fiscalização da PRF nas rodovias também podem ter influenciado positivamente nestes índices.

Independente das causas e dos influenciadores destes resultados, a ação, por si, já demonstra uma mudança favorável de atitude.

Quando cada parte cumpre com o seu papel as consequências não poderiam ser diferentes. Afinal, quando o assunto é trânsito, os méritos nunca são individuais. E, o todo sempre sai ganhando.

Fonte: https://icetran.com.br/Noticias/a-obrigatoriedade-do-exame-toxicologico-para-motoristas-com-cnh-categorias-c-d-e-e

 

 

Carro novo ou usado: o que avaliar na hora da compra

 

Se você busca um carro seminovo ou usado, é bom ficar atento a alguns detalhes antes de fechar negócio. Primeiro de tudo: “verificar se a documentação está correta e válida, se o IPVA está pago, se não há pendências de pagamentos de financiamento, multas e outros débitos” aconselha Francisco.

Passada a fase da documentação, é hora de partir para a avaliação mecânica. “Carros atuais e seminovos muitas vezes estão na garantia, mas, mesmo se estiverem fora dela, o veículo que tiver revisões regulares em concessionárias com carimbo no manual merece mais confiança”, diz.

Se o motor estiver empoeirado, é um bom sinal. “Pode denotar ausência de vazamentos de óleo, assim como de outros elementos. Motor lavado e limpo dá pra desconfiar que havia algo a esconder”, explica ele. Olhe por baixo do carro para identificar batidas na suspensão, escapamento, a parte interna nas rodas e assoalho. Veja se os pneus estão em bom estado, afinal, trocar e alinhar a suspensão pode pesar no bolso.

Não pense duas vezes na hora de pedir um test drive. Se tiver a oportunidade de dirigir em pistas planas e lisas, ajudará a indicar se o carro puxa para um dos lados. Se assim for, pode haver problemas com a direção. “Na frenagem, se o carro puxar para um lado pode ser problema de freio. Ruídos no freio e suspensão podem indicar necessidade de manutenção ou reparos”.

Ainda assim é recomendado levar a um mecânico para pedir um orçamento e analisar o carro. Isso pode ser ideal caso você tenha que desembolsar com gastos de conserto de peças já que, ao negociar, você pode pedir um desconto para o vendedor.

Nada se compara a ser o primeiro a dar a partida em um carro, mas é importante conferir bem as condições de pagamento antes de fechar a compra. Muitas concessionárias podem até oferecer boas oportunidades para financiamento, mas você também pode analisar se um investimento vale mais a pena. Em muitos casos, dá para investir a mesma quantia que você pagaria em parcelas e resgatar em até quatro anos para comprar outro modelo mais novo, aprimorado, e quem sabe até à vista.

Outra coisa: estime quais serão os gastos que você pode ter com o veículo que deseja, tipo combustível, estacionamento e IPVA. É importante também pensar o quanto ele será desvalorizado assim que sair da concessionária. Lembre sempre de que adquirir um automóvel é também um investimento, se quiser trocar de carro, saiba qual será o valor para revender.

Faça uma lista do que você realmente quer: viaja muito e precisa de um porta malas maior? Vai enfrentar muito o trânsito ou apenas dirigir aos fins de semana? Levante questões como essas para saber exatamente qual modelo vai se encaixar nas suas necessidades. Além disso, detalhes como a cor e itens como ar-condicionado, câmera de ré ou chave com sensor podem aumentar o preço final.

Você deve considerar todo um conjunto de questões e não somente o preço. O barato pode sair caro, então embora alguns veículos sejam da mesma categoria, eles não são semelhantes, como os mais populares 1.0. Por isso, faça um test drive para experimentar e ver se realmente atende todas as suas expectativas.

Fonte: https://blog.youse.com.br/auto/carro-novo-ou-usado-o-que-avaliar-na-hora-da-compra

 

 

Fraude deixa com cara de seminovos carros com problemas de segurança

Veículos adulterados foram vendidos e estão rodando pelas ruas e pelas estradas brasileiras. Aprenda dicas na hora de comprar um automóvel usado.

Fantástico alerta: uma fraude deixa com aparência de seminovos carros com alta quilometragem e problemas de segurança. Veículos adulterados foram vendidos e estão rodando pelas ruas e pelas estradas brasileiras. Reportagem mostra detalhes dessa fraude e dá dicas na hora de comprar um carro usado.

Confira a reportagem: http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2018/07/fraude-deixa-com-cara-de-seminovos-carros-com-problemas-de-seguranca.html

 

Transporte público poderá ter botão de pânico

Ônibus e micro-ônibus empregados no transporte público poderão ser obrigados a ter botão de pânico com acionamento discreto e silencioso pelo condutor ou pelo cobrador em caso de perigo. O sistema também deverá informar a localização do veículo às autoridades de segurança pública. É o que determina o PLS 242/2018 do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). A proposta tramita na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Para Cássio, o projeto seria uma possível solução para os frequentes assaltos em ônibus no Brasil.

“No Distrito Federal e em Pelotas (RS), já há leis que obrigam as empresas concessionárias a instalar botões de pânico em seus ônibus. Outras cidades seguem o mesmo caminho. A existência de dispositivo antirroubo nos ônibus terá um efeito dissuasório nos criminosos, que deixarão de assaltar os coletivos”, justificou.

O PLS altera Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503, de 1997). Pelo texto, os veículos que já estejam em circulação devem ser adaptados no prazo de um ano, se ônibus, e dois anos, se micro-ônibus.

As informações são da Agência Senado

Fonte: 

http://portaldotransito.com.br/noticias/transporte-coletivo/transporte-publico-podera-ter-botao-de-panico/

Foi aprovada lei que proíbe rebocar veículos em blitz? Não é verdade!

 

Circula em grupos de WhatsApp uma mensagem que diz que uma nova legislação proíbe rebocar veículos a partir de agora. Não é verdade. A mensagem é acompanhada por um áudio de entrevista em que um homem defende esse ponto de vista.

 

 

(Foto: G1)

O Ministério das Cidades, a quem o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) é subordinado, informou por meio de sua assessoria que a informação é falsa e a legislação citada na legenda que acompanha o áudio não existe.

O Detran do Rio de Janeiro, onde a mensagem começou a se disseminar, também disse que a informação é falsa e que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) é claríssimo em todos os casos previstos para apreensão e remoção de veículos.

 

 

Blitz em São Paulo (Foto: Reprodução/ TV Globo)

Segundo o Detran, qualquer veículo pode ser apreendido se não estiver com o licenciamento anual em dia; se o condutor estiver sem CNH, não for habilitado para dirigir ou se for flagrado embriagado ou sob efeito de drogas e não houver outra pessoa habilitada para levar o automóvel; se estiver sem condições de rodagem (sem equipamentos de segurança, como faróis ou parabrisas danificados, por exemplo); se estiver estacionado em local proibido ou em situação irregular.

O homem do áudio disse ao G1, por meio de sua assessoria, que naquele momento estava se referindo à Lei 13.281. Ele não se responsabiliza pela legenda colada ao áudio que cita o inexistente artigo 274.2022".

Segundo o Denatran, "a lei 13.281" mencionada pelo entrevistado "apenas revogou o art. 256, IV e o art. 262 do CTB que tratavam da aplicação da penalidade administrativa de apreensão do veículo", medidas que já não possuíam aplicação legal, porque, por serem penalidades, só poderiam ser aplicadas "após o devido processo legal e e ampla defesa e do contraditório ao condutor/proprietário do veículo. "

O Denatran ressaltou que permanecem em vigor, entretanto, as medidas administrativas de retenção e remoção do veículo, medidas essas que podem ser aplicadas no momento da constatação da infração de trânsito, diferentemente de penalidades.

O homem do áudio também diz que segundo a lei 13.281 não se pode apreender veículo por falta de pagamento de IPVA . "Recolhe-se, neste caso, o documento em atraso, contra-recibo. Esta interpretação é compartilhada por juristas em todo o Brasil", disse.

O Denatran discorda. Diz que o condutor que não tiver realizado o pagamento do IPVA será autuado pelo art. 230, inciso V, do CTB, por conduzir veículo que não esteja registrado e devidamente licenciado. Esse dispositivo possui, como sanção, a aplicação de medida administrativa de remoção do veículo.

O homem do áudio também diz que não se pode apreender veiculo por flagrante alcoólico do condutor. "Neste caso o condutor ou proprietário do veículo pode indicar outro condutor habilitado e apto para conduzir o veículo adiante."

O Denatran diz que a infração de trânsito por dirigir sob a influência de álcool está tipificada no art. 165 do CTB, que possui a previsão de aplicação da medida administrativa de retenção do veículo e voltou a lembrar que medidas administrativas podem ser aplicadas imediatamente. "

Veja o que diz a mensagem:

"Artigo. 274.2022 lei Federal Passou agora acabou a mafia do reboque ta proibido reboca agora"

Mensagem diz que nova lei proíbe reboque de veículos (Foto:  Reprodução/ WhatsApp)

Mensagem diz que nova lei proíbe reboque de veículos (Foto:  Reprodução/ WhatsApp)

Mensagem diz que nova lei proíbe reboque de veículos (Foto: Reprodução/ WhatsApp)

É ou não é?’, seção de fact-checking (checagem de fatos) 

 

Fonte: https://g1.globo.com/e-ou-nao-e/noticia/2018/07/18/foi-aprovada-lei-que-proibe-rebocar-veiculos-em-blitze-nao-e-verdade.ghtml

CNH Digital esbarra em burocracias com apenas 0,4% de adesão dos motoristas

 

A emissão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) Digital passou a ser obrigatória desde o último dia 2 de julho em todos os estados brasileiros. A novidade promete trazer mais comodidade aos motoristas que costumam esquecer o documento em casa e possui o mesmo valor jurídico daquele impresso. Dado o amplo acesso da população brasileira aos celulares, a expectativa inicial era que a atualização para a CNH digital fosse ampla e, relativamente, rápida. Entretanto, não é o que acontece. Nove meses após ser lançada pelo governo federal, a versão digital conseguiu adesão de menos de 0,4% dos motoristas brasileiros.

Segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo, foram emitidos 220 mil documentos até então. Em São Paulo, onde a CNH digital está disponível desde março, pouco mais de 45 mil tiveram acesso ao documento. Na Bahia reside a menor adesão do País - são  574 documentos digitais para uma proporção de 2,4 milhões de condutores. CNH digital: 6 respostas para suas principais dúvidas 

 

 

powered by Rubicon Project

Mas por que a adesão à CNH digital não teve o retorno esperado? Entre os principais motivos está a relativa dificuldade em obtê-la. Para ter a versão virtual da CNH, o motorista precisa ter uma carteira de motorista impressa que contenha o QR Code. Caso o documento não tiver esse código de barras, ele obrigatoriamente precisa pedir uma segunda via e para isso não tem jeito: é preciso ir a uma unidade do Detran. Vale dizer que as CNHs de papel emitidas a partir de maio de 2017 já contam com esse código.

O aplicativo para a CNH digital é gratuito para download. Ele está disponível nas lojas de app do Google e Apple. No entanto, há estados que resolveram cobrar pelo documento, no caso a Bahia cobra R$ 67,10, enquanto Goiás passou a cobrar R$ 10. Em São Paulo, a CNH virtual é gratuita. 

Para além dos processos, há quem encontre dificuldades para utilizar o aplicativo. Na Play Store, a nota ao aplicativo é baixa (2,7) e usuários lamentam a ferramenta e muitos se queixam que não conseguem utilizá-la.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Ronaldo Lemos diz que o documento digital deveria diminuir a burocracia, mas o que aconteceu com a CNH digital brasileira foi exatamente o oposto. "Ter um mesmo documento físico na tela do celular não significa que ele é digital", disse Lemos ao jornal.

 

Fonte:  http://idgnow.com.br/ti-pessoal/2018/07/17/cnh-digital-esbarra-em-burocracias-com-apenas-0-4-de-adesao-dos-motoristas/

 

 

 

Homens são as principais vítimas de acidentes de trânsito

Um levantamento feito pela Seguradora Líder, responsável pela administração do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT), de janeiro a maio deste ano, foram pagas 148.164 indenizações por acidente de trânsito no Brasil. Desse total, 111.123 vítimas eram do sexo masculino.

De acordo com os números do seguro DPVAT, 75% das indenizações pagas por acidentes de trânsito são destinados aos homens.

No ano passado, foram cerca de 384 mil indenizações pagas pelo DPVAT, das quais a maior parte foi para vítimas do sexo amsculino, na faixa etária de 18 a 34 anos. Em 2017, 42% das indenizações foram para motoristas homens, contra 7% para mulheres.

Menos de 25% das indenizações são pagas a vítimas dos exo feminino. Para Arthur Fróes, superintendente de Operações da Seguradora Líder, o dado mostra que elas são mais cuidadosas ao volante. "Embora tenham 34% da representatividade nas habilitações, nos acidentes elas representam muito menos", comenta.

Motos

A maior parte dos acidentes com morte ou que causam invalidez ocorre com motocicletas. Conforme os dados, 80% das indenizações por morte em acidentes com motos e 79% por invalidez permanente foram para homens, no ano passado.

"Esses homens estão incorrendo em uma invalidez permanente, que vai incapacitar muitas vezes para o trabalho que a pessoa exercia ou para outras atividades. Vai restringir muito a atividade profissional da pessoa ou até impossibilitá-la de trabalhar", diz Fróes.

Ele destaca ainda a necessidade de campanhas de conscientização voltadas para os homens e invesimentos em sinalização de trânsito e fiscalização.

(com Agência Brasil)

Fonte: https://www.revistaencontro.com.br/canal/atualidades/2018/07/homens-sao-as-principais-vitimas-de-acidentes-de-transito.html

 

Doenças oculares dificultam renovação da CNH

 

Acidentes de trânsito são considerados um grave problema global de segurança e saúde pública pela OMS (Organização Mundial da Saúde). No Brasil, o número de pessoas que perdem a vida por esta causa vem crescendo.  É o que revelam os relatórios do DPVAT, seguro social que cobre acidente no país. Só nos cinco primeiros meses deste ano foram mais de 100 pessoas/dia. Aumentou 7%, passando de 15,6 mil indenizações de janeiro a maio de 2017 para 16,7 mil este ano.

De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, perito em medicina do trânsito e membro da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina do Tráfego) o  uso de óculos desatualizados é um dos fatores que contribui com este crescimento. Isso porque, a maioria dos brasileiros só faz exame oftalmológico quando vai renovar a CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

“A nossa legislação é clara: Para dirigir é necessário ter, no mínimo, 50% de acuidade visual. O problema é que as alterações no grau dos óculos ou lentes de contato são lentas e passam despercebidas. Por isso, pessoas que enxergam próximo ao limítrofe estabelecido pelo Detran correm mais risco de serem reprovadas no exame de  renovação da CNH”, alerta.

O resultado é que além de colocarem a própria vida e a de outras pessoas em risco por descuido com a saúde ocular, têm de arcar com o custo de mais de um exame no Detran e ficam um tempo privadas de dirigir.

Queiroz Neto afirma que a dificuldade de enxergar aumenta em até três vezes a chance de acidentes. Isso porque, 85% de nossa integração com o meio ambiente depende da visão.

“Um motorista que enxerga 100% e trafega em uma estrada a 90 km/hora tem 3,2 segundos para processar as informações de uma placa de sinalização. Para quem enxerga 66% a leitura tem de ser feita em  2,5 segundos e com 50% de acuidade visual o tempo de leitura cai para 1,6 segundos”, exemplifica.

Os sinais de que já está na hora de consultar um oftalmologista são:

  • Não ter o tempo suficiente para ler algumas placas do trajeto.
  • Aperta os olhos para ler.
  • Sentir desconforto na claridade.
  • Dificuldade para acompanhar palestras ou as legendas de um filme.
  • Dor de cabeça, geralmente no final do dia, depois de longo tempo de esforço visual.

Independente destes sinais, até 40 anos o médico recomenda um exame oftalmológico a cada 18 ou 24 meses. A partir dessa idade, surge a presbiopia e o risco de outras doenças oculares. Por isso a consulta deve ser anual.

Pesquisa aponta doença ocular que mais causa acidentes entre jovens

Engana-se quem pensa é só o envelhecimento que pode atrapalhar a visão dos motoristas. Pesquisa realizada por Queiroz Neto com portadores de ceratocone mostra que a doença dificulta a direção de 1 em cada 5 jovens, 1 em cada 8 tem dificuldade para conduzir à noite e o mesmo índice não consegue dirigir independente do horário. Por isso, entre jovens é a doença que mais causa acidentes.

O oftalmologista comenta que o ceratocone afina e altera a curvatura da córnea, lente externa do olho responsável pela refração. Dependendo do quanto avança, torna a visão bastante embaralhada para perto e longe. Isso explica porque a doença responde por 70% dos transplantes no Brasil. A boa notícia é que a pesquisa do médico também revela que o crosslink interrompe a progressão do ceratocone em 88% dos que passaram pelo cirurgia e melhorou a visão de 45%.

Queiroz Neto ressalta que embora a cirurgia tenha como proposta interromper o avanço da doença associando a aplicação de radiação ultravioleta com riboflavina (vitamina B12) a melhora da visão resulta da  maior resistência que o procedimento oferece à córnea. ”Quanto menos o ceratocone progride maiores são as chances de enxergar melhor. Já operei  pacientes que ganharam até duas linhas de visão na carta de Snellen após o crosslink”, afirma. Para ele a cobertura da cirurgia pelos planos de saúde a partir deste ano pode diminuir a fila de transplante, embora muitos jovens ainda desconheçam o procedimento. A pesquisa também revela que 20% têm medo de passar pela cirurgia e por isso não se dão a chance de ter mais independência e qualidade de vida.

Catarata desabilita maiores de 60

Queiroz Neto afirma que a partir dos 60 anos o risco é a catarata, doença que torna o cristalino opaco e responde por 49% dos casos de cegueira  tratável no mundo. Para ele o acesso à cirurgia, a menor frequência entre as avaliações oftalmológicas para esta faixa etária prevista na legislação e a disponibilização de informações aos médicos peritos sobre os efeitos da doença na visão do condutor, podem resultar no diagnóstico precoce da catarata .

Os primeiros sinais da doença elencados pelo médico  são:

  • Mudança frequente do grau dos óculos.
  • Perda da visão de contraste.
  • Visão de halos ao redor da luz.
  • Dificuldade de enxergar à noite ou em ambientes escuros .
  • Aumento da fotofobia (aversão à luz) a ponto de gerar cegueira momentânea causada por faróis contra.

A má notícia é que a espera no SUS pela cirurgia pode demorar mais de um ano e por isso muitos condutores acabam colocando a vida em risco no trânsito. A boa é que a cirurgia de catarata reduz em 50% o risco de acidentes. “Por isso, quem precisa dirigir, principalmente à noite, deve passar pela operação que substitui o cristalino opaco por uma lente intraocular logo no início da doença”, conclui.

As informações são da Assessoria de Imprensa

 

 

Fonte:  http://portaldotransito.com.br/noticias/doencas-oculares-dificultam-renovacao-da-cnh/

As férias de julho chegaram! Veja cuidados para quem vai viajar com as crianças

Antes de pegar a estrada para aproveitar as férias de julho, o condutor deve estar atento às condições de diversos itens necessários para garantir a segurança de todos os ocupantes do veículo, certificando-se do bom estado de pneus, cintos de segurança, extintores e outros equipamentos.“Sempre que se viaja com muitos passageiros, ainda mais com crianças, os cuidados devem ser redobrados”, alerta Celso Mariano, especialista em trânsito e diretor do Portal.

No Brasil é obrigatório o uso de dispositivo de retenção adequado para a idade da criança. Para quem não segue essa regra, a viagem pode nem acontecer, pois se flagrada a irregularidade será proibido seguir viagem em desacordo com as normas, isso além de receber uma multa de R$ 293,47. Mas lembre-se: nesse caso, a multa não é o mais importante. O uso do sistema de retenção adequado e corretamente instalado reduz em até 75% as mortes e em até 90% as lesões em caso de acidente.

A maioria das pessoas sabe que deve utilizar cadeirinhas, mas poucos sabem os motivos dessa obrigatoriedade.

“As crianças são mais frágeis do que os adultos e o cinto de segurança não foi projetado para proteger indivíduos menores de 1,45 m. Por esse motivo, para prevenir lesões nos pequenos, é necessário utilizar o cinto de segurança e um equipamento adequado ao peso, altura e idade da criança, além de homologado por órgãos nacionais ou internacionais de qualidade”, explica Mariano.

Regras de uso dos sistemas de retenção

As normas brasileiras recomendam o tipo de dispositivo conforme a idade da criança, mas como explicado anteriormente, o mais importante não é não levar a multa e sim prezar pela segurança dos passageiros, e por esse motivo o Portal do Trânsito alerta que existem mais aspectos que devem ser levados em consideração, como peso e altura da criança.

De 0 a 13 Kg, ou desde o primeiro dia de vida no trânsito até aproximadamente um ano de idade, o dispositivo adequado é o Bebê Conforto.  Este equipamento deve ser instalado de costas para o movimento do veículo.

Já para crianças de 09 Kg a 18 Kg, com idade de 01 a 04 anos aproximadamente, o dispositivo adequado é a cadeirinha.

Para os maiores, a partir de 15 Kg até 36 Kg, deve ser utilizado o assento de elevação. Os pais devem ficar atentos, pois a criança precisa desse equipamento até atingir 1,45m e estar preparada para usar apenas o cinto de segurança do carro.

Todos os sistemas de retenção vendidos no Brasil estão adequados para instalação apenas no cinto de três pontos dos veículos.
Certificação, peso e altura

Os pais devem ficar atentos também porque não adianta apenas usar o dispositivo de retenção, ele deve ser certificado, instalado corretamente e de acordo com peso e altura da criança. Todas as informações necessárias são encontradas no Manual que vem junto com o equipamento.

Trajetos curtos

Mesmo em trajetos curtos ou quando estiver chegando ao seu destino, não dispense o uso da cadeirinha. Segundo pesquisas, a maioria dos acidentes ocorre nessa situação.

Lesões mais comuns

As lesões mais comuns em crianças de até dois anos, em caso de acidente, são no pescoço. Isso acontece devido ao tamanho da cabeça do bebê e a fragilidade da coluna vertebral.

Entre os dois e quatro anos, as lesões mais comuns são na cabeça. As vértebras dos pequenos não são fortes o suficiente para suportar as desacelerações bruscas que acontecem em caso de acidente.

Já entre os quatro e dez anos, as lesões mais comuns são no abdômen. As crianças têm maior risco de lesão abdominal e hemorragia interna, porque os órgãos ainda não estão suficientemente fixados à sua estrutura abdominal, como nos adultos.

Exemplo

Para o especialista, um exemplo vale mais do que mil palavras.

“Não adianta apenas falar, os pais e demais passageiros também devem sempre utilizar o cinto de segurança, mesmo no banco de trás, para dar o exemplo e criar na criança uma cultura de segurança que deverá ser levada por toda vida”, conclui Mariano.

 

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/as-ferias-de-julho-chegaram-veja-cuidados-para-quem-vai-viajar-com-as-criancas/

 

Comissão flexibiliza regra sobre remoção de veículo por falta de licenciamento

A Comissão de Viação e Transportes aprovou proposta alterando a regra prevista no Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503/97) para remoção de veículo no caso de não licenciamento.

Pelo texto, a medida administrativa de remoção do veículo, no caso de veículo que não esteja devidamente licenciado, somente será aplicada se houver reincidência nessa conduta no período de 15 dias até um ano após a data da infração. Esse benefício só será concedido se não houver débito de multas vencidas no prontuário do veículo.

O texto aprovado é o substitutivo do relator, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), ao Projeto de Lei 8983/17, do deputado Delegado Waldir (PSL-GO).

O projeto original desvincula a emissão do Certificado de Registro de Veículo e do Certificado de Licenciamento Anual do pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Além disso, proíbe a apreensão e a remoção de veículos por motivo de débitos tributários.

Hugo Leal discorda, porém, da proposta original. “Desvincular o pagamento do IPVA do licenciamento anual significa, na prática, estimular o não pagamento”, disse.

“As alternativas existentes para a garantir a arrecadação, como a inscrição dos devedores no cadastro da dívida ativa, resultam em processos demorados e, até certo ponto, pouco eficazes, visto que muitos contribuintes preferem não recolher o tributo e aguardar eventuais programas de negociação de débitos fiscais, sempre levados a cabo pelas secretarias de fazenda”, completou.

O relator defendeu, porém, “que se crie uma alternativa que não ocasione tanto impacto na vida do proprietário e que lhe dê a possibilidade de regularização sem que o veículo seja recolhido a depósito, pelo menos na primeira abordagem em que se constate a irregularidade”.

A Comissão de Viação já aprovou outra proposta de teor semelhante, também relatada por Hugo Leal (PL 3498/15).

Tramitação 

A proposta será analisada em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

As informações são da Agência Câmara 

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/comissao-flexibiliza-regra-sobre-remocao-de-veiculo-por-falta-de-licenciamento/

 

Emissão da CNH Digital vira obrigatória em todo o país; saiba como tirar a sua

 

Esquecer a carteira de motorista em casa já não é mais problema. A partir de agora a Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica (CNH-e) vale também como documento oficial em qualquer estabelecimento comercial, bancário, aeroportos, dentre outros. Ou seja, a versão digital pode ser usada como identificação pessoal em todo o país.

A lei que obriga todos os departamentos de trânsito estaduais (Detrans) a emitirem o novo formato entrou em vigor nesta segunda-feira (2), permitindo ao motorista acessar o documento pelo celular e assim evitar multas, principalmente, por esquecer a carteira em casa.

A medida vale para os órgãos emissores, enquanto que a aquisição pelo motorista é opcional. A novidade tem o mesmo valor jurídico da versão impressa, que continuará valendo normalmente. Para solicitá-la é necessário que a CNH atual, em papel, tenha sido emitida a partir de maio de 2017, com QR Code na parte interna. Se for o modelo antigo, é preciso atualizar primeiro antes de pedir o virtual.

O aplicativo da CNH Digital é gratuito, mas cada Detran decide se cobrará ou não pela emissão. A maioria dos estados já oferecia o novo documento gratuitamente.

 

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/07/03/Automoveis/Imagens/Cortadas/CNH QR Code 1-ID000002-1200x800@GP-Web.jpg

Novo modelo impresso com QR Code, que foi lançado em maio de 2017.
Divulgação/ Detran-RO

A carteira virtual funciona como um aplicativo de celular e pode ser baixada nas lojas oficiais da Apple (IOS) e do Google (Android)

Com o app instalado, o próximo passo é escolher entre usar um certificado digital (pago), que permitirá realizar todo o processo pela internet, ou então procurar um posto do Detran da sua cidade para se cadastrar.

 

É necessário efetuar o cadastro no Portal de Serviços do Denatran. O mesmo será ativado por meio de um link enviado para o e-mail cadastrado pelo usuário. Posteriormente, o motorista deverá realizar o login no aparelho que deseja ter sua CNH digital

Na primeira vez que a pessoa entrar no sistema, será necessário criar um PIN para armazenar os documentos com segurança. Somente com o PIN será possível ter acesso às informações guardadas.

Quem já faz uso do e-CPF, como é o caso de empresários, advogados e contadores, terá a opção de emitir e bloquear a CNH digital sem ir ao Detran.

O aplicativo terá outras funções?

Sim. Pelo app será possível consultar a pontuação e ser avisado da proximidade do vencimento da carteira. Também permitirá exportar e compartilhar o arquivo da CNH (por e-mail e até WhatsApp) para usar em situações que exigem um documento autenticado.

E se roubarem meu celular?

O Ministério das Cidades garante que não há risco de acesso às informações do usuário, que estaria protegido por um sistema criptográfico. 

Mesmo assim, em caso de furto ou roubo, o usuário deve acessar o Portal de Serviços do Denatran com o certificado digital e solicitar o bloqueio remoto. Caso não tenha o certificado, o bloqueio deverá ser feito em algum posto do Detran.

A CNH-e funciona quando sem sinal de internet?

Sim, a conexão será necessária apenas no primeiro acesso. Depois, o documento estará disponível offline. Será necessário apenas uma senha de 4 dígitos para abrir CNH digital.

Acaba a multa para quem esquecer a CNH impressa?

Se durante uma abordagem por agentes de trânsito o celular estiver sem bateria ou a aplicação não funcionar, será considerado que o motorista não estava portando a CNH. Por isso, a orientação do Detran é que os condutores continuem com o documento físico na carteira.

Vale lembrar que não portar a carteira de motorista ao dirigir (seja digital ou impressa) é considerado infração leve, com multa de de R$ 88,38, inclusão de 3 pontos na CNH e retenção do veículo até a apresentação do documento. Agora, dirigir sem estar habilitado é classificado como infração gravíssima, com multa triplicada, no valor de R$ 880,41.

 

 

Fonte: https://www.gazetadopovo.com.br/automoveis/emissao-da-cnh-digital-vira-obrigatoria-em-todo-o-pais-saiba-como-tirar-a-sua-44lo0y1dp8do9px56ty5492c3

DENATRAN propõe mudanças no processo de habilitação e você poderá opinar!

 

O Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN) publicou no dia 28/07 a minuta que irá substituir a Resolução 168/04 do CONTRAN, que trata do processo de formação e especialização de condutores no Brasil.

 

O novo texto apresenta propostas para o processo de formação de condutores de veículos automotores e elétricos, a realização dos exames, a expedição de documentos de habilitação, os cursos de formação, especializados e de reciclagem, fundamentado em teorias e práticas pedagógicas que sejam capazes de promover um trânsito mais seguro, no qual os condutores tenham condições de receber a devida formação.

 

Os instrutores, diretores de ensino, proprietários de CFCs, terão a oportunidade de sugerir mudanças e alterações no texto da Minuta. 

 

WhatsApp Image 2017-08-17 at 09.30.19.jpeg

Prática bastante comum: alertar sobre a presença de blitz pelas redes sociais é crime

 

Uma prática bastante comum atualmente é avisar os pontos de blitz pelas redes sociais, especialmente em grupos do aplicativo WhatsApp. Mas o que boa parte da população desconhece, é que esse ato é considerado crime previsto no Código Penal e existe punição.

Outra forma de alerta bastante comum, é quando um motorista usa os faróis do carro para indicar ao condutor que vem em sentido contrário sobre fiscalização policial, eletrônica ou interdições na pista. Entretanto, o uso das redes sociais para este tipo de atitude irregular vem ganhando espaço a cada dia que se passa.

Ao alertar sobre os locais onde há policiamento ostensivo e blitz, se presta um desserviço à população. E utilizar as redes sociais para esse fim é crime, previsto em lei. Quem praticar essa ação pode ser enquadrado por atentado contra a segurança ou ao funcionamento de serviços de utilidade pública.
 

Existe alguma lei específica que se trata disso?

 

Não, entretanto, é levado em consideração duas coisas: o princípio da legalidade e a abstração das leis. O primeiro determina que para o cidadão, só é proibido aquilo que a lei define como ilícito. Logo, aquilo que não é previsto em lei, por consequência, pode ser realizado. Já a abstração das leis quer dizer que as normas brasileiras são projetadas de forma abstrata, ou seja, a análise de um ato pode ser interpretada de acordo com o texto da lei.

Então em relação ao crime de divulgar blitz, há uma lei que pode ser interpretada como uma previsão desta conduta. É o artigo 265 do Código Penal, no qual declara que atentar contra a segurança ou o funcionamento de serviço de água, luz, força ou calor, ou qualquer outro de utilidade pública, é crime.
 

Quais as consequências desse crime?

 

O artigo 265 do Código Penal prevê pena de reclusão de um a cinco anos, mais multa para o condenado, com possibilidade de perder quatro pontos na carteira.

Como exemplo, em março de 2016, um jovem de 21 anos foi preso em Venda Nova do Imigrante, no Espírito Santo, por informar pelo WhatsApp a localização de radiopatrulha da Polícia Militar nas ruas da cidade. O rapaz foi detido em flagrante, por um policial do serviço reservado infiltrado no grupo da rede social, logo após o jovem ter postado uma foto de uma viatura da PM realizando patrulhamento. Ele foi acusado de atentado à segurança pública por divulgar informações sobre blitz através do aplicativo.

 

Fonte: http://www.amodireito.com.br/2017/08/direito-oab-concursos-alertar-blitz-crime.html

 ITUMBIARA RECEBE DETRAN EM AÇÃO  

   

     Em parceria com a prefeitura municipal, o Detran-GO realiza o programa Detran em Ação em Itumbiara, no Sul do Estado. Desde o início dessa semana, equipes da autarquia estão na cidade fazendo sinalização horizontal e vertical. Na próxima semana, servidores do Detran e educadores de trânsito estarão no município realizando uma série de ações e programas como Detranzinho e Balada Responsável Educativa. Também haverá prestação de serviços do Detran e da área de saúde, que serão ofertados pela prefeitura. A estrutura para atender a população está sendo montada no Palácio das Águas, na Av. Beira Rio.

    No espaço, será montado um ponto de atendimento no formato Vapt Vupt, onde serão oferecidos serviços como solicitação de cartão especial de estacionamento (idoso e pessoa com deficiência), consulta de pontuação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e emissão de boletos. De acordo com o presidente, Manoel Xavier Ferreira Filho, a iniciativa busca aproximar o Detran-GO dos cidadãos, oferecendo serviços e orientações sobre trânsito seguro de forma rápida e com maior comodidade.

    Ele acrescenta que a prestação de serviços é só um dos pilares do programa Detran em Ação, que tem como foco a educação para trânsito, visando a redução de conflitos e especialmente de acidentes de trânsito. Por isso, antes mesmo da chegada dos educadores, equipes do programa Goiás Sinalizado estão realizando a sinalização no município. 

    Na próxima semana, escolas do município receberão ainda o Detranzinho, um programa inédito no país, contemplando várias atividades que buscam sensibilizar os alunos a praticarem e multiplicarem seu conhecimento, de modo a incentivar comportamentos seguros no trânsito por meio da metologia do Aprender Fazendo, da Lego Education. O programa conta com um micro-ônibus totalmente adaptado, que abriga atividades pedagógicas e uma maquete de 6m2 construída com blocos de montar Lego. A maquete tem as principais características das vias de uma cidade.

    De domingo a sexta-feira, serão promovidos passeio ciclístico, simulação de resgate de acidente de trânsito e palestras educativas, e oferecidos serviços médicos e testes rápidos. Todas as atividades têm como foco a transmissão de conhecimento e a sensibilização da comunidade local para a necessidade do respeito às leis de trânsito e da busca da redução de acidentes e de óbitos no trânsito. 

 

FONTE: https://www.detran.go.gov.br/psw/#/conteudo/272

Denatran padroniza autorização para dirigir no exterior

 

Mudanças visam facilitar a comunicação entre as autoridades estrangeiras e o motorista brasileiro

 

O novo modelo do documento para dirigir veículos no exterior foi publicado pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), nesta terça-feira (15). Depois da homologação da Permissão Internacional para Dirigir (PID), os brasileiros ficam autorizados a dirigir em cem países signatários da Convenção de Viena sobre Trânsito Viário.

 

Segundo o diretor do Denatran, Elmer Vicenzi, a padronização e os ajustes no documento vieram para facilitar a comunicação entre a autoridade estrangeira e o condutor brasileiro.

 

“A CNH deve ser aceita em todos os países, mas para evitar um possível transtorno, recomendamos a emissão da PID, que funciona como tradução da CNH, por ser elaborado em oito idiomas diferentes (alemão, árabe, chinês, espanhol, francês, inglês, português e russo), já chega em território estrangeiro apto a dirigir, com documento válido para tal”, explicou.

 

Mas o Ministério das Cidades alerta que a PID não é válida para conduzir veículo em território nacional e não equivale a documento de identidade.

 

Fonte: http://portaldotransito.com.br/noticias/agente-de-transito/denatran-padroniza-autorizacao-para-dirigir-no-exterior/

Rodízio de pneus: como e por que fazer

 

         O rodízio de pneus, ao contrário do que muitas pessoas pensam, não é apenas trocar as rodas dos carros umas pelas outras. Para realizar o processo é necessário avaliar algumas questões essenciais para garantir a segurança e a economia esperadas.

Por isso, é fundamental entender como o procedimento é realizado, quando deve ser feito e por que ele é tão importante. Acompanhe as dicas de hoje e entenda mais sobre o rodízio de pneus.

Como funciona o rodízio de pneus?

            Para fazer esse procedimento, é preciso trocar os componentes do eixo, assim a vida útil dos pneus será maior e o veículo terá a estabilidade necessária na hora de dirigir.

O principal motivo para fazer o rodízio é o desgaste natural dos pneus traseiros e dianteiros, que, em muitos casos, é antecipado devido à falta de manutenção.  O desgaste dos pneus precisa ser avaliado: caso as rodas estejam desalinhadas, ele acontecerá antes do esperado e de forma irregular. Sendo assim, fique atento ao sulco do pneu, o indicador de desgaste da roda. Seu limite de profundidade é de 1,6mm e ele aponta a hora certa de realizar o processo.

O rodízio de pneus balanceia o desgaste das rodas, mas vale lembrar que isso é uma solução preventiva e não corretiva. Caso seja necessário, é importante fazer o alinhamento e conferir a calibragem dos pneus.

A hora certa de fazer o rodízio de pneus

            Alguns fabricantes indicam nos manuais a hora certa para realizar o rodízio de pneus. No caso da Michelin, por exemplo, é a cada 7 mil km rodados; já na Continental, o processo deve ser feito a cada 10 mil km rodados; e na Bridgestone o rodízio deve ser feito a cada 8 mil km.

Vale lembrar que o manual do proprietário do veículo também deve ser avaliado, pois lá também vem indicando o período ideal para o rodízio. Um detalhe fundamental diz respeito à suspensão e direção do veiculo: caso esses itens não estejam em perfeito estado, as indicações vistas acima não serão válidas. Sendo assim, o ideal é revisar os itens necessários antes fazer o rodízio para que o resultado final seja conforme o esperado.

A maneira correta de realizar o rodízio dos pneus

           O rodízio é importante porque compensa a diferença de desgaste entre os pneus traseiros e dianteiros, aumentando sua vida útil e garantindo a segurança necessária durante a utilização.

Após avaliar o estado dos pneus e comprovar a necessidade de fazer o rodízio, os que estiverem mais conservados devem ser montados no eixo traseiro do veículo e os que estiverem mais gastos, no eixo dianteiro. Isso porque, quando se está trafegando por pistas molhadas, a tendência é que a parte traseira do veículo perca aderência primeiro. Outro detalhe muito importante: não importa se seu carro tem tração traseira ou dianteira, os pneus em melhor estado devem permanecer no eixo traseiro, assim a segurança estará garantida.

 

Então, o que achou das nossas dicas? Gostou dos benefícios de fazer o rodízio de pneus? Então compartilhe nosso post nas redes sociais e espalhe essa ideia!

 

Fonte: https://www.despachantedok.com.br/blog/documentacao/licenciamento/rodizio-de-pneus-como-e-por-que-fazer/

 

Os acidentes de trânsito representam 12% das mortes em todo mundo.

 

         Em todo mundo, os acidentes de trânsito são responsáveis por 12%do total de mortos, sendo a terceira causa mais frequente na faixa etária de 1 a 40 anos de idade, segundo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS).

       Segundo relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) lançado este ano, as mortes por lesões causadas no trânsito aumentaram 3% nas Américas entre 2010 e 2013. O documento analisou 31 países e territórios do continente americano e registrou mais de 154 mil mortes devido a lesões relacionadas ao trânsito em todo o continente americano em 2013, número que representa quase 12% de todas as mortes relacionadas ao trânsito no mundo.

 

Fonte: https://www.scoopnest.com/pt/user/minsaude/662539975515242497

               CNH digital é grátis na maioria dos estados, mas é cobrada em Goiás e Piauí

 

Apesar de a empresa de processamento de dados do governo afirmar que a CNH digitalestá disponível em todo o país, nem todos os Detrans dizem estar emitindo o documento.

Um levantamento do G1 nos estados e no DF, nas últimas duas semanas, apontou que o documento virtual ainda não é oferecido no Amapá, na Bahia, no Ceará e no Pará.

Esses valores são cobrados de quem já tem a CNH impressa no modelo atual, com QR-Code, que começou a ser adotado há 1 ano. Sem ela não é possível ter a versão digital.

Quem tem a CNH no modelo antigo e quiser ter a digital precisa renovar o documento físico ou pedir a segunda via (saiba mais como tirar a CNH digital).

Nesses casos, há cobrança em todos os estados pelos serviços, mas a maioria afirma que as taxas são por causa da CNH impressa. No entanto, Goiás e Piauí dizem cobrar pela CNH digital também em caso de renovação. E a Bahia informa que fará o mesmo.

Não é possível ter só a CNH digital: segundo os Detrans, o documento impresso é fundamental para a versão virtual, que usa o mesmo código.

 

Fonte: https://g1.globo.com/carros/noticia/cnh-digital-e-gratis-na-maioria-dos-estados-mas-e-cobrada-em-goias-e-piaui.ghtml?utm_source=facebook&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar